Não precisa mudar a empresa para adotar Design Thinking. Saiba como

A cultura da maioria das empresas foi forjada no passado, quando os valores praticados eram outros, muitas vezes contrários aos defendidos pelo Design Thinking. Isto realmente acaba sendo uma barreira muito grande e difícil de ser superada pela maioria dos design thinkers, estes fiéis escudeiros que se aventuram nessa missão.

Mas existe um caminho ainda pouco praticado que pode levar ao sucesso, mesmo que a cultura da companhia não esteja 100% alinhada com os valores defendidos pelo Design Thinking. O segredo está em não tentar mudar a empresa e sim trabalhar a forma como introduzir o Design Thinking nesse ambiente.

A chave é exercitar os três pilares do Design Thinking: empatia, colaboração e experimentação.

Empatia

Ao avaliar um pouco mais a fundo, é possível observar que os stakeholders da empresa não são contrários ao Design Thinking ou à inovação. É preciso identificar qual o verdadeiro motivo que está travando o processo, a famosa segunda camada.

Defina sua persona e aplique o mapa da empatia. Provavelmente, irá se deparar com problemas como alocação de pessoas, demandas que já chegam com uma solução definida, o medo de que as falhas da fase de prototipação tornem o projeto mais caro ou impacte a credibilidade do time, a dificuldade para garantir uma data já acordada com stakeholders, entre outros.

A grande questão é que é preciso identificar as barreiras, pois ter essa clareza possibilitará traçar um plano de ação para superá-las.

Colaboração

É possível puxar essa frente sozinho, mas encontrar entusiastas da inovação que possam apoiar nessa caminhada será providencial. Assim como em um projeto padrão do Design Thinking, a colaboração gera um ambiente muito propício à inovação, pois a diversidade estimula a criatividade. Atenção: é fundamental que as pessoas recrutadas sejam entusiastas da inovação.

Experimentação

Este terceiro pilar é um dos mais importantes no processo de introduzir o Design Thinking em uma empresa e geralmente é ignorado. Antes de ‘vender’ o Design Thinking para a corporação, é preciso experimentá-lo.

A melhor forma de experimentar é identificar um problema conhecido e trabalhar na solução aplicando o Design Thinking. Todas as organizações possuem problemas conhecidos. Essa é a oportunidade para aplicar o conceito sem ninguém cobrar por uma data.

Nessa fase isto é importante, pois o time ainda está se habituando ao Design Thinking e será necessário prototipar e testar quais caminhos devem ser seguidos. Também é nessa etapa que devem ser eliminadas todas as objeções mapeadas no mapa da empatia.

Ao finalizar o projeto, ele deverá ser usado para abrir portas para o Design Thinking na empresa e ainda eliminar todas as objeções dos stakeholders.