As principais tendências para IoT até 2023 segundo o Gartner

As principais tendências para IoT até 2023 segundo o Gartner

Afinal, quais são as previsões e tendências para o futuro quando pensamos na internet das coisas? O Gartner liberou as principais tendências baseadas em um estudo global para entender os caminhos do mercado nos próximos 5 anos, confira!

Recentemente o Gartner, a maior consultoria de tecnologia do mundo, liberou os resultados de um estudo global chamado “Top Strategic IoT Trends and Technologies Through 2023” que identificou as principais tendências e tecnologias estratégicas da IoT até 2023.

A internet das coisas permite que as corporações acelerem seus processos de inovação e transformação, e fazer isso baseado em um estudo global de tendências, garante maior assertividade nas ações e consequentemente no alcance de resultados positivos. 

Mas muito além de ter consciência a respeito das tendências, é preciso que os CIOS liderem e adotem medidas inovadoras em suas atuações. Eles podem fazer isso identificando tecnologias que supram suas necessidades operacionais e contando com parceiros que forneçam serviços de qualidade

E com isso, já está mais do que na hora dos líderes de TI buscarem caminhos para inovar em suas empresas. As tendências e tecnologias de IoT identificadas pelo Gartner são:

1 – Inteligência Artificial (IA) 

Segundo a pesquisa, em 2019 há uma previsão de 14,2 bilhões de coisas conectadas, em 2021 a previsão é de 25 bilhões, gerando um enorme volume de dados. Segundo Nick Jones, vice diretor de pesquisas do Gartner “Os dados são o combustível que alimenta a IoT e a capacidade da organização de derivar significado a partir dela definirá seu sucesso no longo prazo” ainda segundo Jones, “A IA será aplicada a uma ampla gama de informações da IoT, incluindo vídeo, imagens estáticas, fala, atividade de tráfego de rede e dados de sensores”

Hoje em dia, o cenário da IA é complexo e continuará assim até 2023. Isso se dá pelo fato de que diversos fornecedores de TI estão realizando investimentos pesados em IA, mesclando variantes da coexistência de IA a outros tipos de soluções. 

E mesmo diante da complexidade, é possível obter bons resultados com esse tipo de solução. Pensando nisso, CEOs e CIOs devem adotar em suas empresas ferramentas e habilidades que permitam a adoção de estratégias de IoT.

2 – IoT social, legal e ética

A partir do momento em que a IoT amadurece e se torna amplamente implantada e adotada, uma gama de questões passa a se tornar importante. Estas por sua vez incluem a propriedade de dados e todas as deduções feitas a partir deles. 

O estudo ainda diz para as corporações se prepararem, educarem a si mesmos e seus colaboradores a respeito, formarem grupos e conselhos de ética e revisar as estratégias corporativas, além disso os CIOs também devem considerar ter algoritmos-chave e sistemas de inteligência artificial revisados por consultorias externas para otimizar a atuação. 

3 – O valor da informação (infonomics) e Transmissão de dados

Segundo a pesquisa, 35% dos entrevistados vendem ou planejam vender os dados obtidos por seus serviços no ano passado. 

Ainda segundo a pesquisa, a teoria da infonomics leva a monetização destes dados adiante, mostrando-a como um ativo estratégico e importante para as corporações 

E até 2023, a compra e vendas de dados de IoT serão parte essencial dos sistemas conectados inteligentes. Porém, é imprescindível prestar atenção aos riscos e oportunidades em relação ao comércio destas informações, baseados em uma política de TI para proteção dos mesmos. 

4 – Mudança da inteligência de ponta para a malha inteligente

Segundo o estudo, a mudança de arquiteturas centralizadas e de nuvem para arquiteturas de ponta está em andamento no espaço da IoT

Porém, esta não é a etapa final, uma vez que o conjunto das diferentes camadas associadas à arquitetura de ponta sofrerá uma evolução para arquiteturas menos centralizada, composta por uma ampla variedade de “coisas” e outros serviços conectados em sistemas dinâmicos. 

5 – A governança da IoT

Com o aumento e expansão da IoT, existe a necessidade de estabelecer uma estrutura de governança que garanta a segurança sobre a criação, armazenamento, uso e exclusão de informações de projetos de IoT. 

A governança por sua vez deve abranger tarefas técnicas simples, como a auditoria de dispositivos, atualização de firmware e até mesmo problemas mais complexos como controle de dispositivos e de informações. 

Nesta área, é importante que CIOs assumam o papel de educar, conscientizar e envolver suas empresas sobre essas questões e em alguns casos investir em equipes, treinamento e tecnologias para uma atuação eficiente neste sentido. 

6 – Inovação dos sensores

Com o aumento e evolução do mercado de sensores até 2023, eles permitirão mais situações e eventos a serem detectados. Além disso, sensores atuais cairão de preço, se tornando mais acessíveis ou embalados de novas maneiras para suportar novas aplicações. 

Aqui é importante que CIOs garantam o monitoramento e acompanhamento destas transformações para identificar as novidades que podem ajudar na geração de oportunidades e inovação para seus negócios.

7 – Hardware confiável e sistema operacional

A pesquisa mostrou invariavelmente que a segurança é a área de maior preocupação técnica para organizações que implantam sistemas de IoT. Isso se dá, pois empresas geralmente não têm controle sobre a origem e a natureza dos programas e equipamentos que estão sendo utilizados nas iniciativas de IoT

“No entanto, até 2023, esperamos ver a implantação de combinações de hardware e software que, juntos, criem ambientes de IoT mais confiáveis e seguros”, diz o analista. “O Gartner aconselha os CIOs a colaborarem com os principais executivos de segurança digital para garantir que todo o time participe das decisões que envolvam a compra de dispositivos de IoT e sistemas operacionais incorporados”.

8 – Novas experiências dos usuários de IoT

A experiência do usuário de IoT (UX) abrangerá uma vasta lista de tecnologias e técnicas de design. Ela será impulsionada por quatro fatores: novos sensores, novos algoritmos, novas arquiteturas de experiência e contexto e novas experiências sociais detectáveis.

Os designers de UX das empresas serão praticamente obrigados a utilizar novas tecnologias e novas perspectivas se quiserem ter uma interação maior com seus clientes e conquistá-los cada vez mais.

9 – A inovação dos chips de silício

Até 2023, é esperado que novas gerações de chips possam reduzir o consumo de energia necessário para executar uma DNN, permitindo novas arquiteturas de Edge Computing e funções neurais incorporadas a terminais de IoT de baixa potência. 

Isso suportará a inclusão de novos recursos, como análise de dados integrada com sensores e reconhecimento de fala, em dispositivos de baixo custo e movidos a bateria. 

Neste caso, os CIOs são aconselhados a prestar atenção nesta tendência, uma vez que os novos chips permitirão incluir novas funções de IA embarcadas, o que por sua vez possibilita a criação de produtos e serviços inovadores.

10 – Novas tecnologias de rede sem fio para IoT

As redes de Internet das coisas envolvem o equilíbrio de conjuntos concorrentes, como custos de terminais, consumo de energia, banda larga, latência, densidade de conexão, custos operacionais, qualidade dos serviços e alcance. 

Porém, nenhuma tecnologia otimiza tudo, porém, as novas tecnologias de rede fornecerão mais opções e flexibilidade aos CIOs.