Os-3-grandes-mitos-sobre-a-industria-40

Os 3 grandes mitos sobre a indústria 4.0

00Grandes novidades, geralmente, vêm cercadas de mistérios. O mesmo serve para a indústria 4.0, um conceito razoavelmente novo e que vem revolucionando o mundo. Mas será que você realmente sabe o que é isso? Elencamos os principais mitos a respeito dessa revolução industrial. Siga a leitura!

Mitos sobre a indústria 4.0

Como qualquer novo termo, a indústria 4.0 é rodeada de mitos que atrapalham seu entendimento e impedem mais empreendedores e empresários de aplicá-la. Desvendar os mitos, como faremos a seguir, é um dos primeiros passos para compreender essa transformação digital e seus benefícios.

 

Mito 1: É preciso investir muito para entrar na indústria 4.0

O primeiro mito dessa lista diz respeito ao investimento. Quando se fala em indústria 4.0, muitos pensam em robôs, Inteligência Artificial, máquinas autônomas e sensores extremamente caros. Não estão exatamente errados, porém, uma empresa que deseja se adequar à nova realidade não precisa gastar tanto dinheiro.

Primeiramente, indústrias em processo de transformação digital não precisam trocar todo o maquinário logo de uma vez. É possível começar com algumas adaptações que ajudam a conectar os equipamentos mais antigos a tecnologias novas que coletam informação e realizam análise dos dados.

Esse processo é um tipo de conversão que, muitas vezes, é mais econômico do que renovar todos os equipamentos. Além disso, a transformação digital pode ser gradual, sem a necessidade de gastos exorbitantes.  

A melhor forma de adotar a nova revolução industrial e suas tecnologias sem gastar tanto é desenvolvendo parcerias. Universidades e startups estão muito envolvidas na criação de novas tecnologias industriais e podem ajudar.

 

Mito 2: A indústria 4.0 é uniforme em todo mundo

Na realidade, a indústria 4.0  ainda não foi amplamente aplicada. Algumas empresas começaram a adotá-la, mas de forma gradual. No Brasil, por exemplo, poucas organizações utilizam Inteligência Artificial e tecnologias 4.0 em nível avançado. Elas são aproveitadas em processos específicos e não possuem integração.

Mesmo os países mais avançados em questão de tecnologia estão adotando a ideia aos poucos. Por enquanto, a principal mudança é a utilização de máquinas e softwares para resolver problemas específicos na linha produtiva.

As ferramentas tecnológicas trazidas pela quarta revolução industrial ainda são usadas no suporte, mas é por meio das informações trazidas por sensores e com Inteligência Artificial, por exemplo, que é possível melhorar a tomada de decisão e diagnosticar problemas na linha de produção com mais agilidade.

 

Mito 3: O modo como trabalhamos será mudado abruptamente

Alguns imaginam que a transformação digital deve promover uma ruptura total na forma como trabalhamos. Nas visões  mais extremistas, as fábricas se tornariam um lugar predominantemente gerido por máquinas e sem muito espaço para operadores humanos. É claro que essa percepção foge bastante do que tem se observado atualmente.

O mundo inteiro está realizando a transição para a indústria 4.0 de forma gradual para um relacionamento mais produtivo entre humanos e máquinas. Alguns países, como o Brasil, deram os primeiros passos nessa direção. Mesmo após a transição para a nova indústria, o trabalho humano continuará relevante, se tornando parte fundamental para o bom funcionamento e aplicação estratégica de todas as  possibilidades oferecidas por essa transformação digital.

Apesar da automação ser uma realidade, as ferramentas serão usadas para a realização de tarefas repetitivas e permitirão que o colaborador humano se dedique a trabalhos mais estratégicos para a empresa. A indústria 4.0, portanto, cria a necessidade por um novo tipo de profissional.

O humano ainda deve realizar papéis de tomada de decisão, liderança e de programação dos robôs.

Prepare-se para o futuro

Uma empresa que está começando a entender a indústria 4.0 não precisa correr para abraçar todos os seus conceitos de uma vez. A transição é gradual pode ser iniciada sem investimentos absurdos em novos equipamentos e tecnologias. Além disso, o papel do profissional humano nesse tipo de indústria não vai desaparecer.

A combinação de tecnologia e mão de obra humana é a chave para o aumento de produtividade que todos os negócios precisam para manter a competitividade. Mas não demore muito: comece já a avaliar os pontos que podem ser aplicados a sua linha produtiva e operações.