data center

Migração para um Data Center especializado: como fazer a mudança da forma correta?

À medida que uma organização cresce, inevitavelmente a tecnologia também precisa evoluir e mudar. Seja ela uma startup ou grandes organizações, a TI também precisa acompanhar esse crescimento.

Sua infraestrutura de TI exige ampliação significativa da sala de servidores, ou de seu próprio Data Center, além da contratação de mais profissionais para Operação e Manutenção. Então, o que acontece quando você chega a esse ponto? 

O Colocation ou mudança para um data center externo e especializado é o caminho certo a seguir.

Os grandes data centers seguem o padrão global de categorização de ambientes de missão cliente e alta disponibilidade do Uptime Institute. 

Devido a suas economias de escala, em seu preço mensal de aluguel de infraestrutura e suporte 24x7x365 já estão inclusos a preços mais competitivos, quando comparados ao data center próprio, energia, refrigeração e controle de umidade, segurança física, e conectividade.

Como migrar corretamente para o colocation

A modalidade de Colocation permite que seus equipamentos de TI (exemplo: servidores e roteadores) sejam instalados em um Data Center externo. Não é apenas uma decisão inteligente, mas também é crítica. 

Você pode, e com razão, ter preocupações com o tempo de inatividade, a segurança e o desempenho de suas aplicações. Para que a migração ocorra da maneira mais tranquila e segura possível, há vários fatores que precisam ser considerados.

Pesquise os melhores métodos

Você vai precisar de muito estudo e pesquisa. Reserve um tempo para considerar como a realocação de aplicações, serviços e dados críticos afetará seus negócios durante o processo de migração e o que você pode fazer para mitigar quaisquer riscos ou desvantagens temporárias.

O tempo de inatividade do servidor é uma consideração importante. Como você aborda isso depende da natureza do seu negócio. 

Se simplesmente não puder tolerar nenhum tempo de inatividade do servidor, você precisará proteger as operações com uma iniciativa robusta de recuperação e backup de desastres. 

Você também pode configurar uma nuvem privada ou híbrida temporária para manter processos críticos em execução durante a migração.

Crie um ambiente de testes

Da mesma forma, se suas aplicações críticas precisam ser migradas, considere criar temporariamente um ambiente de Testes/QA (Quality Assurance) para validação do novo ambiente (e reduzir as chances de mais tempo de inatividade). Um bom provedor de data center irá ajudá-lo com isso e garantir que o processo seja planejado.

A configuração de rede também é um fator a ser adotado. As organizações devem decidir o que precisa ser feito para garantir que as aplicações mais antigas mantenham sua funcionalidade em casos de incompatibilidade.

As decisões precisarão ser tomadas caso a caso, pois algumas aplicações podem ou não encontrar problemas de configuração durante a transferência da sua rede local para a nova rede de dados. É melhor prevenir do que remediar, portanto, verifique o efeito que a migração pode ter em suas aplicações essenciais.

Verifique a latência

Pode não ser o que vem à mente imediatamente, mas a latência da rede também é importante, seja durante a migração ou após a migração de seu ambiente computacional. A menor latência possível para acessar o seu data center é obtida através de uma conexão dedicada de alta velocidade. 

Como os servidores geralmente são migrados em lotes, as aplicações que compartilham uma conexão local agora precisam de acesso a uma nova estrutura de rede para se comunicar. 

Para reduzir possíveis problemas de latência, identifique quais aplicações funcionam juntas e quando e planeje sua linha do tempo da migração para mantê-los separados o mais breve possível

Faça um mapeamento de todos os documentos e aplicações antigas

Uma migração bem-sucedida do data center significa conhecer tudo sobre suas aplicações de dentro para fora. Mas e o que fazer com as aplicações antigas? A documentação não pode ser encontrada e ninguém se lembra de quem as instalou ou as construiu para começar. É importante mapeá-las e planejar suas atualizações até que seja possível migrá-las ao novo ambiente.

Ao planejar detalhadamente as atividades e riscos para a migração, o processo real deve ser bem direto e a migração será perfeita. Na hora de mover os dados, você precisa decidir o que definitivamente precisa ser transferido. 

É necessário verificar se, por exemplo, você ainda está operando hardware e software por meio de contratos há muito atrasados ​​para rescisão ou, por exemplo, ainda usando equipamento antigo que não serve mais a um propósito crítico. 

É importante se perguntar se todos os servidores são necessários, ou se pode virtualizar alguns para racionalizar a quantidade de equipamento que ficará no Colocation.

Analise tudo e considere o propósito e o papel da sua empresa no futuro. Você pode até achar que alguns equipamentos e contratos são mais vitais do que o esperado, por isso vale a pena uma investigação detalhada. 

Esse também é o momento ideal para revisar sua linha do tempo da migração e considerar se você precisa configurar uma solução de redundância temporária em nuvem privada ou híbrida para evitar qualquer impacto em suas aplicações durante a migração.

Além disso, vale a pena ter um registro atualizado de todo o seu ambiente de dados – revise os logs existentes e anote todas as alterações no inventário. 

Faça um plano de backup

Em seguida, identifique as cargas de trabalho, software e backups agendados existentes para saber exatamente o que funcionará e o que não funcionará durante a migração – e, para uma tranqüilidade total, planeje e execute o importante teste de recuperação de desastre.

Você também desejará informar seus prestadores de serviços sobre seus planos e apontá-los para o seu novo data center para quaisquer alterações de licenciamento e contratuais. E não se esqueça de anotar as informações de garantia do equipamento e os números de série para evitar problemas de acionamento de suporte do fabricante ​​após a realocação física.

Com seu equipamento gerenciado e mantido com segurança 24/7/365, sua empresa é livre para voltar ao que faz melhor. E se você continuar a crescer, é mais fácil do que nunca escalar seu data center, eliminando a necessidade de soluções temporárias.

Monitore a qualidade do serviço 

Agora que sua migração foi concluída,  – é hora de usar bem os recursos humanos liberados e alocá-los para outras atividades, tendo a segurança de que seu provedor de Colocation cumprirá com a qualidade acordado no SLA de prestação de serviços.

Há muito o que acompanhar durante uma migração de data center. Essas etapas são amplas para ajudá-lo a pensar em como, o que, onde, quando e por que você está movendo equipamentos e sistemas. 

Talvez o maior argumento seja documentar todo o processo, começando com um plano sólido e terminando com uma auditoria. Isso ajuda a organizar o processo, deixando um rastro de papel para ajudar a descobrir erros ao longo do caminho e medir o sucesso no final.