Entenda de forma simples e fácil o que é “Big Data”

Olá,

Hoje vou falar um pouco mais sobre “Big Data” e mostrar para você a quantidade de dados que geramos para que entenda de forma simples e fácil o que é “Big Data”

Você nem imagina, mas geramos atualmente um volume absurdo de dados e dos mais variados.

Olhe para o seu relógio e espere 10 minutos, pronto! Geramos mais dados do que foi gerado pela humanidade até o ano de 2003!

Impressionante, não?

Agora fica um ponto de interrogação na sua mente tentando entender que tipo de dados estamos gerando para ter este volume descomunal.

Geramos dados quando falamos ao telefone, usando o cartão de crédito, ao colocar combustível no carro, enviando e-mails, fazendo anotações digitais, tirando fotos, ao fazer o filme de aniversário, comprando o bilhete do transporte, assistindo treinamentos na internet e em uma infinidade de atividades.

Percebe o quanto de dados geramos a cada segundo?

Por exemplo, só os celulares de hoje têm ao menos 10 sensores que geram dados, tais como: GPS, câmera de frente e de trás, giroscópio, WiFi, microfone, sensor de luz ambiente, bluetooth, etc.

E esta avalanche de dados dos mais variados é o que chamamos de internet de eventos e que são divididos em 4 grandes grupos:

1- Internet dos conteúdos

Ex: Google, Wikipedia

2 – Internet das pessoas

Ex: Twitter, Facebook, Snapshat

3 – Internet das coisas – IoT

Ex: sensor de temperatura, sensor de luz, smart TVs e vários tipos de “devices”

4 – Internet dos lugares

Ex: Android, Iphone, Tablet

 

Agora você entende perfeitamente que quando falamos de “Big Data” estamos nos referindo a um volume de dados vindos da internet de eventos e que crescem exponencialmente.

Mas para armazenar, entender e transformar esta quantidade de eventos em informação é necessário andar de mãos dadas com a tecnologia, ou seja, toda a infraestrutura da tecnologia da informação precisa atender esta crescente demanda por recursos.

Por mais incrível que pareça esta procura crescente por mais recursos foi prevista em 1965 e dizia que o poder de processamento dos computadores dobraria a cada 18 meses. É a “lei de Moore”.

Aplicando a mesma lei para dados podemos dizer que a cada 18 meses os números de dados gerados dobra.

A consequência é a necessidade de mais poder de processamento, mais memória, mais capacidade de armazenamento, ou seja, mais negócios e oportunidades digitais.

Para entender um pouco mais sobre o quanto a humanidade investiu em tecnologia nos últimos 40 anos e ter a dimensão exata disso imagine ir de trem de São Paulo capital até Sorocaba, uma distância percorrida de 125km.

Há 40 anos atrás o tempo de viagem seria de 1h30 e hoje o tempo seria de 0,00515 segundos.

Mais um exemplo deste investimento: há 40 anos um carro precisaria de 4000 litros de gasolina para dar a volta na terra e hoje a quantidade de litros de gasolina seria de 0,0038 litros.

E toda esta revolução digital abriu um oceano de oportunidades, mas para surfar as ondas é necessário entender e garimpar as informações geradas pela internet de eventos.

Para realizar isso você vai precisar dobrar a sua capacidade tecnológica a cada 2 anos para continuar competitivo.

Esta é uma das grandes razões das empresas do mundo inteiro iniciarem a sua jornada para CLOUD.

E nós do UOL DIVEO podemos te ajudar nesta jornada.

Bem-vindo à revolução digital que está acontecendo neste momento.

 

Até o próximo post.

Grande abraço!

Marco Antonio Tangari

Responsável pela criação e execução de dashboards gerenciais/executivos utilizando tecnologia "Splunk - Big Data" para correlacionar diversas informações estratégicas do conhecimento tácito e explicito.