Automatizar e orquestrar tarefas para Windows Server é um desafio? Não para o Ansible.

O Ansible é uma plataforma que vem se destacando no mundo OpenSource devido sua simplicidade e efetividade na automação e orquestração de atividades de TI. Pois bem, desde a versão 1.7 o Ansible faz o gerenciamento de máquinas com Windows. E isso pode trazer um ganho enorme para a vida dos administradores de TI.

Um detalhe importante, o funcionamento da plataforma permanece o mesmo, ou seja, não é necessário a instalação de agentes. O gerenciamento de sistemas Linux funciona através de SSH, para o Windows é utilizado um modulo em “Python” que utiliza o WinRM para se comunicar com computadores Windows remotamente, além disso, é possível integrar o Ansible com sua domínio Active Directory, reduzindo o overhead de trabalhar com contas locais.

Uma informação importante é que, o Ansible Management Node, continuará sendo uma estação/servidor com Linux, pois a plataforma não roda em Windows, apenas gerencia sistemas com Windows.

Um requisito importante para que tenha sucesso no seu projeto de automação é a liberação e configuração do Powershell remoting, no site docs.ansible.com tem os tutoriais de como automatizar a configuração do WinRM via script Powershell. 😉

Show, já tenho utilizo o Ansible para meus servidores Linux, o que é possível fazer com o Windows. Caso você queira desenvolver um módulo para uma necessidade específica, você pode encontrar as informações nesse link. Mas, já existem muitos módulos disponíveis para gerenciamento do Windows que permitem automatizar tarefas de gerenciamento de arquivos, instalação de pacotes, instalação de atualizações do sistema operacional até mesmo deployment de sites com IIS.

Sua vida de SysAdmin está difícil, muitas máquinas para gerenciar, poucos braços para te ajudar? Abrace a causa da automação e parta para o Ansible, o pior que pode acontecer, é você ficar viciado e querer automatizar tudo, até a máquina de café (http://moccapi.blogspot.com.br/).

Abraços e até a próxima,

Fernando

 

Referências:

https://www.ansible.com/

http://www.jeffgeerling.com/blog/running-ansible-within-windows

O mundo dos Containers e o Windows Server 2016

O lançamento do Microsoft Windows Server 2016 está próximo, e ele trará grandes mudanças! Claro, algumas mudanças são justamente devidas as tendências de mercado. Muitas mudanças para quem está  surfando na onda do Cloud e DevOps.

Uma grande novidade no Windows Server 2016 é a introdução aos Containers no mundo Microsoft. Para quem ainda não ouviu falar sobre os Containers , resumidamente eles são um espaço isolado onde é possível executar aplicações sem  que o Sistema Operacional seja afetado, e vice-versa.

O Windows Server 2016 introduz dois tipos de Containers, Windows Containers e os Hyper-V Containers.

Para quem já está habituado a usar os Containers em plataformas Linux, o Windows Container é basicamente a mesma coisa.

Cada Aplicação dentro de Containers vai rodar em User-Mode Level isolado em um Sistema Operacional compartilhado.

Container1

Esse modelo possui algumas limitações, por exemplo, você ainda será dependente  do Sistema Operacional do hospedeiro, se uma atualização for aplicada no nível do hospedeiro, você terá que parar a sua aplicação, pois afetará diretamente o(s) Containers. Além do compartilhamento do mesmo Kernel, que em ambientes não controlados, podem afetar o desempenho das aplicações hospedadas.

Aí que surgem os Hyper-V Containers. Estes sim,  garantem um isolamento em nível de Kernel, pois os Containers terão uma Imagem para servir de base para a aplicação e cria uma VM no Hyper-V. Dentro desta VM, estão os binários, bibliotecas  e aplicação dentro de um Windows Containers.

Imagem 2 V2

Se ainda não teve a oportunidade de usar os Containers, aproveite para testar agora! O Windows Server 2016 Technical Preview 5 já está disponível para Download, e com todas as novas funcionalidades disponíveis para testes. 😉

Até a próxima!

Fernando Silva de Souza

Clique aqui  para Download do Windows Server 2016 TP5:

 

 

Leia Mais

Quem mexeu na minha memória?

Chegamos no momento em que a virtualização não é mais novidade, você já possui um ambiente virtual, e boa parte do seu ambiente já está rodando em uma plataforma de virtualização. Parabéns!

Agora, houve aquele dia que você abriu o gerenciador de tarefas do seu Windows Server e se deparou com algo assim?

5140.clip_image002_thumb_420795F0

 

Não vou falar para você ficar tranquilo, de forma alguma, afinal, em algum momento isso pode se tornar um problema para o seu ambiente. Mas afinal, o que é está consumindo a memória do seu servidor? Você naturalmente vai na guia “Processes” para encontrar o vilão e…

1157.clip_image004_thumb_65C5DEEC

Não encontra o vilão!

Para identificar em qual cenário de problema onde você se encontra, você deve utilizar uma ferramenta chamada RAMMap. Após realizar o download da ferramenta para o seu servidor, abra a ferramenta, e observe como está o uso da memória pela memória virtual marcada como Driver Locked:

3666.clip_image006_thumb_12DACBBB

Pronto! Achamos o vilão!

Não se assuste, embora seja necessário um conhecimento mais especializado investigar algumas causas do uso de memória virtual, a alocação da memória por Driver Locked é comum em ambientes virtuais. Esse comportamento é gerado por recursos do próprio virtualizador, quando utilizado o VMWare, o Balloon é o responsável por essa alocação de memória, quando utilizado o Hyper-V o responsável é o Dynamic Memory.

Talvez isso não seja um problema, mas sim, uma característica da sua infraestrutura virtual. Isso geralmente ocorre quando fazemos overcommit de memória, basicamente, quando alocamos mais memória do que temos disponível para a VM.

Caso o seu ambiente este apresentando degradação neste cenário, duas ações são possíveis:

  • Redimensionar a configuração de memória das suas máquinas virtuais menos críticas, privilegiando o ambiente mais crítico para o negócio, ou;
  • Realizar upgrade de hardware.

Existe uma terceira alternativa, para clientes de ambientes UOLCLOUD, basta realizar o upgrade de µVM’s.