8 lições de Jim Collins

8 lições de Jim Collins para inovar nos negócios

“A inovação tem um papel significativo no desempenho das empresas, mas não da maneira esperada. Quem tem mais patentes não é necessariamente o mais bem-sucedido”.

 

Esta frase de Jim Collins, um dos maiores especialistas do mundo em gestão de empresas, liderança e sustentabilidade empresarial, coloca em questão a forma como as empresas lidam com a inovação. Segundo o guru, as melhores empresas têm a capacidade de dar escala a novos produtos, fazer os melhores ajustes e transformar uma pequena inovação num grande negócio.

Ao longo do caminho, ele escreveu seis bestsellers que, juntos, venderam mais de 10 milhões de cópias e foram traduzidos para 35 idiomas. Entre eles, estão títulos já considerados clássicos de negócios, como Empresas feitas para vencer, Feitas para durar e Como as gigantes caem.

Quando era professor da Stanford Graduate School of Business, a escola de negócios da Stanford University, Collins começou a se interessar pelo que estava por trás das melhores companhias do mundo: por que algumas prosperavam e outras não?

Tudo passa pela criatividade, que é algo natural e abundante. Porém, há um ponto fundamental que determina aquelas que sairão vencedoras: a disciplina. O grande desafio é fazer casar a disciplina e a criatividade, para que a disciplina não acabe por minar a criatividade. Em empresas excelentes, a questão não está apenas na inovação, mas na forma de inovar.

Para uma empresa ser bem-sucedida ao inovar, é preciso realizar tentativas suficientes, fazer ajustes ao longo do desenvolvimento da inovação e ter assertividade e foco no objetivo.

 

As lições de Jim Collins

1. “Não são as circunstâncias que causam resultados – são as pessoas”

Este é um dos aspectos mais claros da pesquisa de Collins: as circunstâncias são apenas o palco em que uma empresa está atuando. Elas representam o jeito que suas equipes trabalham – seus valores, suas escolhas, a qualidade de sua execução e a habilidade de não perder seus objetivos de vista em tempos bons ou ruins.

 

2. “A inovação por si só não é o segredo da vantagem competitiva, mas sim a capacidade de mesclar disciplina com inovação”

Enquanto a criatividade é um traço humano natural, a disciplina é aprendida. Empresas que têm sucesso nos negócios unem os dois fatores para obter resultados produtivos e escaláveis. Em outras palavras, não basta apenas inovar. É preciso ter uma forma de inovar para criar coisas novas sem perder o foco.

Uma companhia que consegue atingir esse equilíbrio é aquela que testa suas ideias suficientemente, faz ajustes ao longo do processo e mantém o foco no objetivo final, que é chegar à inovação escalável, que funcione e que se torne uma vantagem competitiva.

 

3. “Se sua companhia desaparecesse, deixaria um buraco que não poderia ser facilmente coberto por outra empresa no planeta?”

Para o autor, este é um dos traços de uma grande empresa. Mas o que isso significa? Cultura, sistemas e processos são considerados inputs de uma companhia. São algo importante que a compõe, mas que não determina sua verdadeira grandeza.

Um output é o outro lado da moeda, algo maior e que impacta o mundo externo, como por exemplo, uma performance verdadeiramente superior na indústria e que não diminui quando uma figura-chave sai de cena, mas especialmente a capacidade de ter um impacto distinto no ambiente em que atua.

É aí que entra uma espécie de teste de impacto que tem mais a ver com presença do que com porte. Collins afirma que um restaurante pode ter uma relação tão boa com seus clientes e uma presença tão grande na comunidade que, se sumisse, as pessoas sentiriam um buraco enorme.

 

4. “Criatividade empírica é apostar com base em evidências, não na loucura ou no sonho”

Para ter sucesso, não basta criar novos e maravilhosos produtos e serviços. É preciso seguir um princípio de criatividade empírica, que pode ser traduzido como a habilidade de validar instintos criativos empiricamente.

É possível fazer isso por meio de observação direta, experimentos práticos e tomada de decisões com base em provas, não apenas opiniões ou suposições. Uma ideia de negócio que pratique a criatividade empírica, validando conceitos e testando possibilidades, tem chances maiores de dar certo.

 

5. “É melhor construir um relógio que pode dizer as horas mesmo quando você não está lá”

Quando uma empresa não depende exclusivamente de um grande líder para funcionar bem, tem mais chances de sucesso. A essência é construir uma grande cultura para que a organização se torne excelente.

Para qualquer empresa grande e duradoura, o princípio é estimular o progresso mas manter um núcleo: conservar os valores, os princípios básicos e aquilo que deseja ser.

 

6. “Se não está ruim agora, é questão de tempo”

Na vida, altos e baixos são inevitáveis e é importante manter-se atento e praticar a resiliência mesmo quando o céu for de brigadeiro. Assim, quando uma crise surgir, você não será pego de surpresa e nem tomará decisões reativas ou impensadas que coloquem seu negócio em risco.

Se uma empresa estiver em uma fase razoavelmente boa, cabe à equipe responsável a disciplina de dizer: ‘temos que ter valores, temos que ter as pessoas certas, temos que ter nossas finanças em ordem, temos que entender de fato de fato e profundamente o que fazemos melhor que qualquer outro e garantir que isso seja cultivado. Não esperamos até termos um problema para nos tornarmos fortes.’

 

7. “Mantenha-se sempre irracionalmente preocupado se sua empresa não está atingindo seu potencial”

A frase pode parecer ansiosa demais, mas o exagero tem um ponto. Se você e sua equipe acharem que atingiram o ápice do sucesso ou conquistaram seu maior objetivo, podem se tornar apáticos e desatentos e certamente levarão um susto quanto o tapete for puxado, colocando tudo a perder.

Nunca pense em sua empresa como ótima, não importa o nível de sucesso.

Atingiu seu objetivo? Crie outro. Está dando tudo certo? Mantenha-se disciplinado e aproveite a oportunidade para melhorar o que for possível. Trabalhe duro, sonhe grande e tenha os olhos sempre abertos.

 

8. “Todas as organizações podem entregar resultados melhores”

Jim Collins criou um mantra para as grandes instituições: são pessoas disciplinadas que pensam disciplinadamente e tomam ações disciplinadas. A palavra-chave, naturalmente, é disciplina. É ela que passa por boa parte das sentenças em destaque nesse texto e que é capaz de melhorar resultados ou manter (e elevar) performances estelares por meio de decisões bem embasadas, do cultivo e aderência aos valores da companhia, da prática da resiliência e do estímulo ao progresso – faça chuva ou faça sol.

Para finalizar, Collins ensina que a inovação por si só não é o segredo da vantagem competitiva, mas sim a capacidade de mesclar disciplina com inovação, para que a inovação possa ser escalonada — essa é a fonte da vantagem competitiva de grandes empresas. Collins tem muito a ensinar.

 

E você, como investe em inovação na sua empresa. Que tal refletir? O UOLDIVEO pode ajudar a tornar esse processo mais fácil.

 

Solucione 3 problemas críticos do seu negócio com Cloud Computing

Solucione 3 problemas críticos do seu negócio com Cloud Computing

Noites mal dormidas, irritação, stress e muita pressão por resultados. A vida para quem está à frente de tantos desafios não está nada fácil. Mas afinal, o que efetivamente pode ajudar um gestor de TI a melhorar sua qualidade de vida e resultado da sua empresa?

Um bom começo é entender de forma estruturada a necessidade da empresa e o que o mercado disponibiliza em termos de soluções. Vamos lá!

 

Cenários desafiadores:

Os departamentos de TI estão cada vez mais à procura de parceiros que possam trabalhar com eles, na medida em que adotam abordagens ágeis de desenvolvimento.

Segundo a consultoria Pace Harmon, as empresas estão movendo mais cargas de trabalho para a nuvem pública, mas continuam a executar determinadas aplicações em ambientes de nuvem privada dedicados por razões de segurança, regulamentos ou competitividade. Estão procurando mais por provedores que possam gerenciar e integrar de forma transparente seus ambientes de nuvem híbridos.

Ainda de acordo com a consultoria, a economia de custos baseada no trabalho humano está sendo suplantada por aquelas que são entregues pelo digital. As empresas estão exigindo capacidades de automação de seus fornecedores terceirizados, por proporcionar maior eficiência em muitos processos.

Confira três dores crônicas que podem ser minimizadas com a adoção da  nuvem:

 

1 – Investimentos acompanharem os resultados do negócio

Cenário: A instabilidade econômica exige cautela. E diminuir os custos de TI, com orçamentos já apertados gera uma pressão absurda para os gestores escolherem o portfólio de serviços necessários dentro do orçamento.

Como os custos aumentam:

  • Falta de conhecimento de como associar os custos aos ativos de TI;
  • Dúvidas de como enfrentar a gestão dos licenciamentos, manutenções e contratos de outsourcing;
  • Impacto dos casos de insucesso em projetos;
  • Falta de monitoramento dos gastos relacionados a TI.

Solução: Quando são feitos investimentos em nuvem, acabam-se os gastos fixos em infraestrutura que envolvem, por exemplo, servidores físicos, hardware e máquinas, mão de obra e energia elétrica, e passasse a pagar somente pelo que efetivamente foi usado. Além disso, muitas vezes gastos com licenças e renovações anuais de software também são eliminados.

 

2 – Indisponibilidade de sistemas e do acesso à rede

Cenário: A instabilidade dos serviços de TI é um problema crítico, pois depende de vários fatores. Os gestores devem sempre avaliar seus sistemas para assegurar a alta disponibilidade dos serviços, sem paradas.

Exemplos de consequências da indisponibilidade:

  • Processos críticos do negócio são interrompidos;
  • Serviços de e-mails ou acesso a documentos não funcionam;
  • Imagem da reputação da empresa pode ser afetada por uma crise.

Solução: A indisponibilidade no acesso aos sistemas e à rede é um ponto que traz uma série de prejuízos para as companhias. Por isso, quando um sistema corporativo usa cloud computing, os serviços e ferramentas podem estar distribuídos em diversas partes do mundo, podendo ser acessados em qualquer hora ou lugar. Além disso, soluções de recuperação de desastre baseadas em nuvem podem reduzir custos ao mesmo tempo que garantem reação rápida a eventos críticos.

 

3 – Vulnerabilidade dos dados

Cenário: As informações existentes representam o bem mais valioso de uma empresa. É preciso assegurar que todo o sistema de informações da empresa esteja protegido contra ameaças internas e externas.

Alguns fatores de risco:

  • Acesso a conteúdos na internet;
  • Ataques maliciosos e sequestro dos dados do cliente;
  • Ausência de proteções para o furto de dados;
  • Uso irresponsável dos usuários nos serviços de TI.

Solução: As questões relacionadas à segurança da informação é um problema enfrentado constantemente pelas empresas. Os provedores de nuvem contam com ferramentas de segurança extremamente avançadas, muitas vezes desconhecidas pela maioria das empresas.

Isso ajuda a evitar ataques maliciosos e permite a recuperação de informações, ao contrário de uma estrutura física danificada, na qual os dados talvez não possam ser recuperados facilmente. Manter os dados em discos rígidos físicos é muito mais arriscado do que colocá-los em nuvem!

Fique atento às inúmeras possibilidades que essa tecnologia disponibiliza para empresas de todos os portes. Não restam dúvidas de que o cloud computing pode ser um excelente aliado para os seus negócios.