Indústria 4.0: como a nuvem pode ajudar?

Esqueça a imagem de uma fábrica funcionando em linha de produção com uma série de empregados uniformizados trabalhando ao mesmo tempo, enfileirados. Também esqueça a linha de montagem da indústria automotiva, com robôs substituindo trabalhadores.

 

A indústria 4.0 já começou a transformar o chão de fábrica e, cada vez mais, robôs, sensores e processos automatizados, estão tornando os processos mais ágeis e eficientes.

 

Não é exagero dizer que está ocorrendo uma nova revolução industrial, como decorrência da evolução tecnológica. No passado, os homens descobriram que produziam mais com a ajuda de máquinas; hoje eles sabem que podem fazê-las produzir praticamente sozinhas!

 

O termo “indústria 4.0” surgiu na Alemanha em 2011, na Feira de Hannover (Alemanha), como parte da estratégia do governo alemão para o desenvolvimento de alta tecnologia para a manufatura do país. A chanceler Angela Merkel, definiu o conceito da indústria 4.0 como “a transformação completa de toda a esfera da produção através da fusão da tecnologia digital e da internet com a indústria convencional”. O conceito se expandiu para outros países do mundo sob diversas iniciativas de governos como uma tendência tecnológica mundial.

 

Segundo estudo da PwC, a indústria 4.0 é uma força de diferenciação potencialmente disruptiva. Ela gera eficiência na cadeia de suprimentos e na produção, melhora na comunicação com os clientes, redução de desperdício e ganho de eficiência significativo no uso de matérias- primas.

Fonte: TAB UOL

 

A importância da cloud computing na indústria 4.0

Com o mundo cada vez mais virtual, a computação em nuvem se mostra como uma ferramenta fundamental na quebra de barreiras geográficas, aumento da produtividade, conectividade e geração de novas oportunidades para companhias de todos os portes e segmentos.

 

As empresas estão sempre à procura de novas formas de otimizar tempo e agilizar a produção sem abrir mão da qualidade. As soluções em cloud computing oferecem recursos de computação, armazenamento e rede sem precedentes. Os serviços de computação tornam as plataformas capazes de unir automação, robótica e Internet das Coisas, contribuindo para desenvolvimentos inovadores a longo prazo.

 

As grandes questões que vieram junto com a robotização da linha de produção e a transformação digital que as indústrias estão passando incluem:

  • Como os seres humanos podem obter melhor suporte para o trabalho na fábrica?
  • Como conectamos várias fábricas de diferentes empresas?
  • Como compartilhamos dados nesse mercado?
  • Como os softwares, sensores e tecnologia RFID interagem?
  • Como um produto auto-consciente se comunica com o ambiente?
  • Como lidar com grandes dados?
  • Como os dispositivos móveis podem ser integrados?
  • Com quais níveis de segurança de dados precisamos?
  • Qual impacto a produção inteligente tem no projeto e na construção da fábrica?

 

Entenda o que a nuvem agrega neste cenário:

A cloud computing e a indústria 4.0 caminham lado a lado, permitindo que diversos sistemas garantam a performance com total tranquilidade, disponibilidade, acessibilidade e economia de recursos.

 

Além disso, a computação em nuvem se mostra como uma ferramenta fundamental na quebra de barreiras geográficas, aumento da produtividade, conectividade e geração de novas oportunidades para companhias de todos os portes e segmentos. As soluções em cloud computing podem garantir este desempenho, já que ajudam com as ferramentas de colaboração e integração entre os departamentos, permitindo uma produção mais rápida e melhor comunicação, reduzindo as chances de erro.

 

Outro benefício da nuvem é que permite realizar um controle maior das operações, com a vantagem da mobilidade, apoiando os gestores a acompanharem o andamento das demandas e interferirem em tempo hábil na operação, caso necessário.

 

O fácil acesso às informações e o compartilhamento de dados é outra vantagem importante que vem com a cloud. Como a nuvem não é um locla físico, várias pessoas podem ter acesso aos arquivos e sistemas, o que garante mais agilidade nos processos.

 

E então? Sua empresa já está preparada para usar a cloud computing como um pilar na realidade da indústria 4.0?

 

Fonte: PwC

 

 

UOLDIVEO

 

Pare o tempo que eu quero pensar!

Passamos por quatro revoluções industriais, desde 1760, quando foi dada a largada a uma corrida da sociedade agrária, que migrou do campo para as cidades, incorporando nos dias atuais recursos nas áreas da Física, Biologia e Digital. Esse tripé nos faz conviver com veículos autônomos, robótica, impressão 3D, diagnóstico, tratamento e engenharia genética, IoT e modelos disruptivos de negócios. De fato, vivemos em um mundo totalmente conectado, vivemos a Jornada para o Digital.

 

Diante de tanta velocidade e volume de novidades, muitas vezes, sentimos uma sensação de perda do controle iminente. Pudera, o que era linear tornou-se exponencial, o que era concreto está migrando para a “nuvem” e o que era evolutivo, tornou-se disruptivo. Com tantos novos conceitos tomando conta de nossas vidas, não podemos viver sofrendo, mas sim, nos adaptando. O desafio aumentou.

 

Se vivemos numa sociedade hiperconectada, vamos encarar no nosso cotidiano uma tecnologia social e pervasiva, onde tudo ocorre em tempo real, pilotada por uma nova geração que, necessariamente, impacta num novo ambiente de trabalho. Vamos ter que lidar com anseios e sentimentos de autorrealização (comunicação), autoestima (redes sociais), segurança e mesmo fisiológicas (internet e energia entraram nesta categoria).

 

Agora vamos pensar tudo isso no ambiente da sua empresa. Transformar um negócio em digital não é parar para pensar, pois neste exato momento, alguma área da sua companhia está se movimentando nesta direção, seja pelo e-commerce, pela equipe comercial com plataformas de CRM e BI, pelo RH ao atender uma demanda crescente de colaboradores que se conectam via home office e assim por diante. As transformações não param.

 

Um exemplo é a plataforma móvel EasyTaxi, que permite que os clientes encontrem e utilizem táxis mais rapidamente em mais de 30 países no mundo inteiro. A empresa hospedou seu aplicativo móvel e armazenou a documentação dos motoristas de táxi na nuvem, passando a comportar mais de 300 mil solicitações por minuto em sua API, além de conduzir pesquisas de texto em bilhões de documentos indexados.

 

Quer ver outro caso? Quando a GOL Linhas Aéreas decidiu criar um sistema de entretenimento a bordo, a empresa percebeu que a nuvem seria a melhor opção, por conta da quantidade enorme de conteúdo. A GOL tem contratos com as principais empresas de comunicação do Brasil, que publicam novos conteúdos diretamente no servidor central.

 

Por isso, a empresa organizou-se com diversos parceiros de negócios, permitindo que eles publicassem e modificassem anúncios remotamente, com base nos destinos do passageiro.

 

Desde a implementação da Intranet a bordo, a companhia aérea GOL ganhou agilidade e melhorou o tempo de introdução no mercado.

 

Normalmente, as atualizações de software da GOL são mais rápidas do que se ocorressem localmente, e há flexibilidade de expandir ou diminuir a capacidade de acordo com as necessidades da companhia.

 

Porém, essa jornada tem algumas pegadinhas, que somadas, podem travar o crescimento do negócio lá na frente. A velocidade empenhada que tratamos aqui é alta. As respostas às situações emergenciais podem ser provisórias e se estenderem ao status de permanentes (acende aqui uma luz vermelha).

 

Esse cenário pode se agravar ainda mais com a alta taxa de turnover de profissionais. Eles saem e levam consigo muito do capital intelectual de suas funções e atividades exercidas. Junto, também saem as situações de problemas e soluções, muitas vezes não documentadas para aquele departamento.

 

Talvez este seja o seu momento para:

  •   Olhar os problemas do negócio atual, sob uma outra ótica;
  •   Adquirir tecnologias com mais consciência e visão de médio e longo prazos;
  •   Ter uma estratégia de transformação digital do negócio;
  •   Desenhar o mapa de onde quer chegar;
  •   Pensar como as tecnologias digitais podem impactar e criar rupturas no seu negócio.

 

A nuvem é a base para que novas tecnologias, como a Internet das Coisas e Big Data, sejam incorporadas à realidade das empresas. As mudança de base tecnológica observadas recentemente estão proporcionando grandes transformações nos negócios, e o UOLDIVEO pretende apoiar as empresas interessadas em se beneficiar dessas tecnologias inovadoras.

 

Não hesite, não postergue, não procrastine. Mais do que nunca, busque caminhos, compartilhe seus desafios e desenhe sua jornada de transformação dos negócios hoje mesmo.

 

UOLDIVEO

 

 

Antes que seja tarde

Por que o comportamento do consumidor importa na transformação digital dos negócios?

Durante boa parte do ano de 2015 e o ano todo de 2016, vimos o tema “transformação digital” virar “mainstream” entre as empresas.

Em 2016, porém, o “buzz” em torno do assunto ficou mais claro pela mudança rápida em mercados consolidados como TV por assinatura, Taxi e instituições financeiras.

Serviços disruptivos como Netflix, Uber e as Fintechs mudaram a forma como nos relacionamos com empresas e ficou claro que é um processo sem volta. Quem detém o poder, o consumidor, decidiu experimentar e percebeu que as novas opções agradam mais.

O mercado sabe disso e reage na mesma velocidade. Não à toa, um estudo realizado pela BCG apontou que dos US$ 96 bilhões levantados em fundos de capital de risco desde a virada do século, US$ 4 bilhões foram especificamente para fintechs do mercado de capital.

Para se ter ideia do peso da transformação digital, a Fitch Ratings avaliou que as Fintechs não ocuparão o espaço dos bancos – não por que não tem relevância para o consumidor, mas sim por que as instituições financeiras, percebendo a mudança do mercado, estão mudando e dando muito mais peso para suas estratégias de atuação digital.

Mas por que o comportamento do consumidor importa?

Os institutos de pesquisa alertavam anos antes para a transformação digital que o mundo está passando e que as empresas precisavam se adaptar, sob o risco de se tornarem irrelevantes.

Mas digital pelo digital não importa.

Digital só importa à medida que o comportamento do cliente muda e isso passa a fazer sentido para ele.

Quando uma empresa de café em capsulas decide lançar uma cafeteira que permite que você programe, de qualquer lugar do mundo, o horário que seu café deve ser preparado, para você chegar em casa e encontrar ele pronto e quente na xícara, não estamos falando de simplesmente agregar uma função nova em um produto, mas sim em como melhorar a experiência de consumo usando a vantagem do mundo hiperconectado.

Casos mais clássicos como da Netflix também são sintomáticos: As pessoas têm perfis e rotinas diferentes. Por que tentar enquadrá-las em um padrão, se é possível entregar conteúdo de acordo com suas preferências, na hora que ela deseja? Experiência de consumo elevada à décima potência.

No mundo B2B não é diferente.

Saber quem influencia, quem decide e quem autoriza a compra dentro de qualquer processo de compras é trivial dentro do comercial e marketing, porém, isso não diz nada a respeito da experiência do cliente.

Entender como este mundo hiperconectado afeta a rotina dos envolvidos e dos seus clientes é que muda tudo.

Por isso, para convencer de que a transformação digital dos negócios é importante, antes entenda como é a jornada do seu cliente e como ela impacta a forma como ele interage com seu negócio. Antes que seja tarde.

Você sabe escolher a nuvem ideal para sua empresa?

Com a crescente adoção de vários tipos de nuvem pelas organizações, os profissionais de TI se deparam com outro grande desafio: Escolher a nuvem ideal (ou uma combinação de nuvens) para sua necessidade.

É preciso arquitetar a infraestrutura e garantir que ela esteja pronta para absorver a crescente demanda por recursos em um determinado período de tempo.

Já é fato conhecido que as nuvens, especialmente as públicas, contam com recursos de elasticidade – também conhecidos como a possibilidade de adicionar, ampliar e até mesmo reduzir capacidade computacional a qualquer momento mediante uma mudança nos requisitos do negócio ou da aplicação.

Para que você possa decidir sobre um modelo de nuvem, você precisa determinar qual é o modelo ideal para o seu negócio. Arquitetar a nuvem é uma das decisões mais importantes de tecnologia que você irá enfrentar.

Como selecionar as nuvens certar com base em uma combinação de ambos os requisitos, negócios e tecnologia?

No mundo da computação em nuvem, existem três tipos diferentes de “nuvens” – nuvens públicas, nuvens privadas e nuvens híbridas e uma infinidade de modelos de gerenciamento.

Dependendo do que tipo de aplicação ou requisito de negócio, você vai querer comparar as diferentes opções que nuvens privadas, públicas e híbridas pode oferecer.

Conheça alguns passos que auxiliam na jornada para a nuvem:

  • Avalie profundamente cada aplicação: Algumas aplicações não possuem o grau de maturidade necessário para nuvem e ou possuem “travas” a sistemas legados da corporação e a migração para a nuvem pode não ser possível.
  • Determine quais os serviços necessários e desejáveis: Ao escolher um fornecedor de serviços em nuvem, tenha em mente que uma nuvem definitivamente não serve para tudo, nem para todos! É importante ter em mente o tipo de plataforma de nuvem, as características das aplicações, a interoperabilidade, funcionalidade e desempenho que você deseja. Confirme se o seu fornecedor de serviço de nuvem é escalável para suportar suas necessidades crescentes de dados.
  • Confira cuidadosamente todas as políticas do fornecedor de cloud computing para verificar se tudo está enquadrado nos requerimentos da empresa. Esse fator varia absurdamente em diferentes fornecedores.
  • Determine o nível de segurança adequado as suas necessidades de negócios: Com o crescente aumento das violações de segurança, é crucial escolher um parceiro de serviço de nuvem com protocolos de segurança bem definidos. Se a sua empresa lida com dados sensíveis, então você precisa escolher um parceiro de serviço em nuvem que esteja em conformidade com as normas de segurança vigentes em sua indústria. Por exemplo, se você lida com informações financeiras, é imperativo garantir que o seu fornecedor possua as certificações requeridas.
  • Verifique seu orçamento: Infelizmente, há uma falta de transparência nos custos em fornecedores de serviços em nuvem. Analise cuidadosamente os acordos comerciais para evitar taxas escondidas e custos adicionais.

Adicionalmente, o caminho natural da adoção é totalmente dependente da maturidade tecnológica da empresa e, normalmente, passa de uma estrutura tradicional para uma virtualização, indo para uma nuvem privada e, em seguida, com a extensão dos recursos, para a nuvem pública, formando a nuvem híbrida.

Considere que uma abordagem híbrida pode ser a chave para equilibrar os benefícios e os riscos de nuvens públicas e privada e é uma forma dos gestores de TI tirarem proveito do melhor dos dois mundos (nuvem privada e pública). Um dos maiores ganhos neste caso, é a transferência para o modelo de pagamento dos serviços baseados em “pagar-pelo-uso”, sendo este um beneficio que impacta diretamente no planejamento financeiro e nas estimativas de custos.

Para finalizar, conte com um parceiro qualificado para lhe apoiar na jornada. Arquitetar nuvens é tarefa que exige especialização e experiência.