Pare o tempo que eu quero pensar!

Passamos por quatro revoluções industriais, desde 1760, quando foi dada a largada a uma corrida da sociedade agrária, que migrou do campo para as cidades, incorporando nos dias atuais recursos nas áreas da Física, Biologia e Digital. Esse tripé nos faz conviver com veículos autônomos, robótica, impressão 3D, diagnóstico, tratamento e engenharia genética, IoT e modelos disruptivos de negócios. De fato, vivemos em um mundo totalmente conectado, vivemos a Jornada para o Digital.

 

Diante de tanta velocidade e volume de novidades, muitas vezes, sentimos uma sensação de perda do controle iminente. Pudera, o que era linear tornou-se exponencial, o que era concreto está migrando para a “nuvem” e o que era evolutivo, tornou-se disruptivo. Com tantos novos conceitos tomando conta de nossas vidas, não podemos viver sofrendo, mas sim, nos adaptando. O desafio aumentou.

 

Se vivemos numa sociedade hiperconectada, vamos encarar no nosso cotidiano uma tecnologia social e pervasiva, onde tudo ocorre em tempo real, pilotada por uma nova geração que, necessariamente, impacta num novo ambiente de trabalho. Vamos ter que lidar com anseios e sentimentos de autorrealização (comunicação), autoestima (redes sociais), segurança e mesmo fisiológicas (internet e energia entraram nesta categoria).

 

Agora vamos pensar tudo isso no ambiente da sua empresa. Transformar um negócio em digital não é parar para pensar, pois neste exato momento, alguma área da sua companhia está se movimentando nesta direção, seja pelo e-commerce, pela equipe comercial com plataformas de CRM e BI, pelo RH ao atender uma demanda crescente de colaboradores que se conectam via home office e assim por diante. As transformações não param.

 

Um exemplo é a plataforma móvel EasyTaxi, que permite que os clientes encontrem e utilizem táxis mais rapidamente em mais de 30 países no mundo inteiro. A empresa hospedou seu aplicativo móvel e armazenou a documentação dos motoristas de táxi na nuvem, passando a comportar mais de 300 mil solicitações por minuto em sua API, além de conduzir pesquisas de texto em bilhões de documentos indexados.

 

Quer ver outro caso? Quando a GOL Linhas Aéreas decidiu criar um sistema de entretenimento a bordo, a empresa percebeu que a nuvem seria a melhor opção, por conta da quantidade enorme de conteúdo. A GOL tem contratos com as principais empresas de comunicação do Brasil, que publicam novos conteúdos diretamente no servidor central.

 

Por isso, a empresa organizou-se com diversos parceiros de negócios, permitindo que eles publicassem e modificassem anúncios remotamente, com base nos destinos do passageiro.

 

Desde a implementação da Intranet a bordo, a companhia aérea GOL ganhou agilidade e melhorou o tempo de introdução no mercado.

 

Normalmente, as atualizações de software da GOL são mais rápidas do que se ocorressem localmente, e há flexibilidade de expandir ou diminuir a capacidade de acordo com as necessidades da companhia.

 

Porém, essa jornada tem algumas pegadinhas, que somadas, podem travar o crescimento do negócio lá na frente. A velocidade empenhada que tratamos aqui é alta. As respostas às situações emergenciais podem ser provisórias e se estenderem ao status de permanentes (acende aqui uma luz vermelha).

 

Esse cenário pode se agravar ainda mais com a alta taxa de turnover de profissionais. Eles saem e levam consigo muito do capital intelectual de suas funções e atividades exercidas. Junto, também saem as situações de problemas e soluções, muitas vezes não documentadas para aquele departamento.

 

Talvez este seja o seu momento para:

  •   Olhar os problemas do negócio atual, sob uma outra ótica;
  •   Adquirir tecnologias com mais consciência e visão de médio e longo prazos;
  •   Ter uma estratégia de transformação digital do negócio;
  •   Desenhar o mapa de onde quer chegar;
  •   Pensar como as tecnologias digitais podem impactar e criar rupturas no seu negócio.

 

A nuvem é a base para que novas tecnologias, como a Internet das Coisas e Big Data, sejam incorporadas à realidade das empresas. As mudança de base tecnológica observadas recentemente estão proporcionando grandes transformações nos negócios, e o UOLDIVEO pretende apoiar as empresas interessadas em se beneficiar dessas tecnologias inovadoras.

 

Não hesite, não postergue, não procrastine. Mais do que nunca, busque caminhos, compartilhe seus desafios e desenhe sua jornada de transformação dos negócios hoje mesmo.

 

UOLDIVEO

 

 

Como inserir Design Thinking na sua empresa

Olá,

Sou idealizador do Congresso Nacional de Design Thinking (CONATHINK) realizado durante o último mês de março. Ao total reunimos 29 experts de Design Thinking que ministraram 38 palestras ao longo de 7 dias.

Este evento me proporcionou contato com milhares de pessoas interessadas em inovação e um dos questionamentos que mais escutei durante os 7 dias do congresso foi referente a dificuldade de inserir a inovação dentro das empresas. Em 100% dos casos o maior ofensor apontado pelas pessoas foi a cultura avessa aos valores defendidos pelo Design Thinking.

Ok, nós sabemos que a cultura da maioria das empresas foi forjada no passado, onde os valores praticados eram outros, muitas vezes contrários aos valores defendidos pelo Design Thinking. Isto realmente acaba sendo uma barreira muito grande e difícil de ser superada pela maioria dos Design Thinkers que se aventuram nesta missão.

Mas existe um caminho ainda pouco praticado que pode te levar ao sucesso, mesmo que a cultura da sua empresa não esteja 100% alinhado com os valores defendidos pelo Design Thinking.

O segredo está em não tentar mudar a empresa e sim trabalhar a forma como você está tentando introduzir o Design Thinking neste ambiente. Quer saber como?

EXERCITE OS 3 PILARES DO DESIGN THINKING: empatia, colaboração e experimentação.

A minha sugestão para você conseguir realizar isto é aplicar o Design Thinking para implantar o Design Thinking?

Pode parecer estranho, mas este é um bom caminho a se seguir.

Vamos iniciar pelo 1º pilar, a empatia.

Se você avaliar um pouco mais a fundo verá que os stakeholders da sua empresa não são contrários ao Design Thinking ou a inovação em si. Você só deve identificar qual o verdadeiro motivo que está travando o processo, a famosa segunda camada.

Defina sua persona e aplique o mapa da empatia. Provavelmente você irá se deparar com problemas como alocação de pessoas, demandas que já chegam com uma solução definida, o medo de que as falhas da fase de prototipação tornem o projeto mais caro ou impacte na credibilidade do time, a dificuldade para garantir uma data já acordada com stakeholders e por aí vai.

A grande questão é que você tem que conhecer exatamente qual é a tua barreira, pois ter essa clareza que possibilitará planejar um plano de ação para superá-la.

É possível puxar esta frente sozinho, mas se você encontrar entusiastas da inovação que possam te apoiar nesta caminhada será muito bem-vindo. Aqui você estará trabalhando o 2º pilar, a colaboração.

Assim como em um projeto padrão do Design Thinking a colaboração gera um ambiente muito propício a inovação, pois a diversidade estimula a criatividade. Mas atenção, é fundamental que as pessoas recrutadas sejam entusiastas da inovação.

O 3º pilar é um dos mais importantes no processo de introduzir o Design Thinking em uma empresa e geralmente é ignorado. Antes de ‘vender’ o Design Thinking para sua empresa, experimente.

A melhor forma de experimentar neste caso é identificar um problema conhecido na tua empresa e trabalhar em sua solução aplicando o Design Thinking. E atenção, todas empresas possuem problemas conhecidos. Esta é a oportunidade que você terá para aplicar o Design Thinking sem ninguém te cobrar por uma data. Nesta fase isto é importante, pois o time ainda está se habituando ao Design Thinking e você precisará prototipar e testar quais caminhos deve seguir. Também é nesta etapa que você deve eliminar todas as objeções mapeadas no mapa da empatia.

Ao finalizar este projeto você terá seu 1º case de sucesso, que deverá ser usado para abrir portas para o Design Thinking na sua empresa, e deverá eliminar todas as objeções que seus stakeholders possuíam.

De forma breve este são os passos que eu indico para introduzir o Design Thinking na sua empresa.

 

Grande abraço,

Rodrigo Muniz

Preciso mesmo complicar para inovar?

Depois de 20 anos trabalhando ininterruptamente com Web (e inexoravelmente com a TI ao seu redor) e acompanhando praticamente como tudo começou, como está evoluindo e para onde vai, você se sente confortável para falar do assunto com algum conhecimento de causa. Afirmo com segurança que, nesse tempo todo, a palavra que mais ouvi foi “inovação”. Eu sei: inovar não é ato exclusivo de TI. A NASA, por exemplo, a tem em seu DNA e mostrou sua importância durante a Corrida Espacial, no século passado. E não só ela, mas também a antiga (e rival) União Soviética. A partir de 1760, em outro exemplo contundente, a própria Revolução Industrial foi um marco em inovação que moldou tecnologia, indústria, comércio, relações humanas e processos de forma indelével.

Uma busca simples pelo termo “inovação” no Google retorna, sem maiores refinamentos, 102 milhões de resultados. Em inglês, “innovation” aparece 448 milhões. Ok, desconte as empresas que possuem a palavra no Nome Fantasia por puro modismo e mesmo assim temos um indicador da importância da palavra.

Fica claro, portanto, porque existem tantos mantras que utilizam essa palavra, a maioria deles compelindo pessoas, processos e empresas a serem sempre criativos, revolucionários, visionários. Algumas vezes de forma orgânica, fluida, inerente ao seu modus operandi; outras, de forma paranoica, obstinada e atabalhoada. Esse é o momento em que ela começa a trabalhar contra tudo aquilo para o qual deveria servir; é quando a inovação complica ao invés de descomplicar.

Quando falo de complicar estou me referindo àquele modelo de inovação que parte da premissa “Preciso inovar, e para isso eu tenho que criar algo mirabolante”. Não consigo conceber uma conexão que justifique que inovar significa inventar algo hiperbólico. Para mim, na verdade, deve ser o contrário: uma das funções importante da inovação (entre tantas outras) é simplificar e obter resultados maiores e melhores com cada vez mais simplicidade.

Recentemente li um artigo médico que unia os conceitos de inovação com IoT. O tom do artigo era utópico, com ares de ficção científica, e concluía com algo do tipo “ansiamos por um dia em que inventarão ferramentas que, conectadas e acessíveis remotamente, possam informar o estado de um paciente de maneira ativa, nas quais poderemos intervir prontamente mesmo à distância”. Do ponto de vista da inovação, o autor se mostrou um romântico adepto da complicação: precisamos realmente criar algo que ainda não existe para atingir algum estágio inovador? Não seria inovador o suficiente criar não um novo monitor cardíaco que converse com a Web, mas apenas um acessório que se conecte aos já existentes, para atender dentro dos conceitos de IoT?  O fato é que a adoção do pensamento inovador não deve se ater exclusivamente à criação de algo novo, mas também à revisão de processos, fossilizados pelo tempo. O que nos faz entender porque, então, ainda encontramos resistência: por causa do fator intangibilidade. Pensar a inovação de forma complicada leva à intangibilidade, ao inacessível, através da seguinte inferência:

SE Para inovar eu tenho que (re) inventar algo do zero
E (re) inventar algo do zero demora e dá trabalho.
E se demora, não se paga e não gera resultado a curto prazo.
PORTANTO não é viável inovar”.

 Um exemplo clássico que mostra o quanto inovar não é apenas inventar: o mesmo programa espacial da NASA do século passado, que citei mais acima, deparou-se com o seguinte problema: como fazer funcionar uma caneta em ambiente de micro gravidade? E milhares de dólares foram investidos para criar uma caneta que permitisse aos astronautas escrever em ambiente tão inóspito. Dinheiro empreendido, resultado não obtido: as canetas inventadas não funcionavam, a despeito de tanta reinvenção e verba investida. O que o programa rival e contemporâneo soviético fez para resolver o mesmo problema? Utilizou lápis no lugar das canetas (um agradecimento aqui ao Marco Antônio Tangari por ter me lembrado desse caso). Isso também é inovação!

Não quero me fixar à ideia de que inovar é apenas criar ajustes e acessórios ao que já existe, mas que TAMBÉM É. E que ao pensar uma forma de simplificar um processo, mesmo que você utilize recursos que já existem (como o lápis para os soviéticos) você pode eliminar o ranço que te desmotivaria a inovar.

Marcelo Simonka.