sua empresa tem um plano de desastre

Sua empresa está preparada para o próximo desastre?

A palavra desastre está associada a perdas, que podem ser de diversas naturezas e proporções. Quando alguém na Pixar acidentalmente executou um comando de exclusão no local que armazenava o filme Toy Story 2, um ano de trabalho foi apagado. O sistema de backup falhou e… adivinhem! Não havia mais filme.

 

Foi um verdadeiro desastre. Mas os desastres podem ocorrer de diversas maneiras: queda de energia, erro humano, falhas operacionais, ataques maliciosos e podemos mencionar até mesmo os desastres naturais, que muitas vezes fogem do nosso controle. Uma coisa é certa: em todos os casos, ter um plano preventivo é fundamental para anular seus efeitos ou, ao menos, minimizá-los.

 

Sua empresa tem um plano de contingência?

Segundo a edição mais recente do Relatório Global de Fraude & Risco, publicado anualmente pela consultoria Kroll, aproximadamente uma a cada quatro empresas (23%) sofreu nos últimos 12 meses pelo menos uma violação de sistema resultando em perda de dados de clientes ou funcionários. O problema é o segundo maior fator de vulnerabilidade – atrás apenas da infestação por vírus/worms – e o quarto mais recorrente no mundo empresarial.

 

O estudo entrevistou cerca de 550 executivos dos mais diferentes setores em todo o mundo que são responsáveis ou que influenciam diretamente as decisões quanto a programas e estratégias de segurança e combate a fraudes.

 

A segurança cibernética é a mais ameaçada. Ataques, roubos ou perda de informações sigilosas foram reportados por 85% dos respondentes, a maior taxa de incidência no mesmo período. Chama também a atenção o fato de que a maioria desses eventos se dá por vulnerabilidade de software, citado por 26% dos participantes.

 

Muitas empresas ainda adotam backups lentos, destinado à recuperação de ambiente e máquinas individuais – o que não representa uma solução abrangente de recuperação de aplicação e dados. Ou ainda, mantém DRs internos com alto custo e investimentos e sem a possibilidade de aumentar rapidamente sua capacidade. Além disso, em caso de desastre, a proteção fica comprometida.

 

Recuperação de desastre como serviço (DRaaS)

Atualmente, já chegaram ao mercado soluções de DRs com foco na recuperação de desastres de nível corporativo, sem a necessidade de investimento de capital. São soluções que permitem RPO (Recovery Point Objetive) de 15 minutos a até 24h, com implementação simples e realizada em poucos minutos. Com apenas um clique, é possível replicar e salvar as informações.

Simples, rápido, seguro, econômico e implementado por especialistas: essas são as características das soluções DRaaS – recuperação de desastres como serviço.

 

Veja mais sobre os benefícios desta modalidade:

  • Facilidade de uso da ferramenta
  • Recursos disponíveis da ferramenta
  • Custo inferior a soluções de DR tradicionais
  • Suporte dedicado e monitoramento
  • Planejamento e execução de testes de desastre

 

Com uma replicação assíncrona, simples e segura, o DRaaS é uma maneira fácil para iniciar sua jornada para a nuvem e começar a se beneficiar de uma TI ágil e escalável.

 

O UOLDIVEO tem atendido o mercado corporativo com serviços que permitem a continuidade dos negócios inclusive em casos de infecção por malwares / ransomwares.

Quer debater mais sobre abordagens para recuperação de desastre? Entre em contato conosco e compartilhe com a gente suas dúvidas.

 

UOLDIVEO

 

4 fatores importantes sobre nuvem e continuidade de negócios que você precisa saber agora mesmo

Os departamentos de TI estão sob constante pressão para disponibilizar novas tecnologias que permitam que a empresa mantenha dados críticos, aplicações, processos seguros e em funcionamento 24 x 7.

Some a isto ofertas de nuvem que permitem que a empresa terceirize parte da responsabilidade pela gestão e garantia de segurança e confiabilidade e temos o ambiente perfeito para a continuidade de negócios e recuperação de desastres ser deixada para segundo plano frente aos desafios do dia-a-dia de gerenciamento de TI.

Ao utilizar serviços baseados na nuvem é fácil perder de vista os principais riscos de continuidade de negócios e por isso listamos aqui 4 pontos importantes que você deveria ter em mente enquanto utiliza cloud computing para sua empresa.

 

1. Continuidade de negócios é mais que recuperação de desastres

A indústria é permeada com termos como “continuidade de negócios” e “recuperação de desastres”, o que pode torná-lo confuso para os líderes empresariais. Mesmo o termo “recuperação de desastres” leva a maioria dos profissionais de TI para o caminho errado.

Soluções de DR são normalmente utilizadas para “cenários de desastres” e “desastres” relacionados a causas naturais não são a causa mais comum de interrupção de TI.

Falhas de software, hardware e erro humano são as principais categorias responsáveis ​​por algum tipo de interrupção no negócio.

As empresas precisam de parar de pensar apenas em desastres e começar a considerar maneiras de evitar interrupções.

 

2. As nuvens nem sempre incluem alta disponibilidade e / ou garantia de continuidade de negócios

A todo momento o serviço de nuvem é entregue a partir de um Data Center.

Se esse Data Center tiver problemas, o fornecedor de nuvem pode mover suas cargas de trabalho rapidamente para um novo Data Center?

Sempre verifique como a empresa lida com isto para poder decidir como se preparar para isto.

Muitas vezes os players de nuvem pública disponibilizam maneiras de garantir a continuidade de negócios utilizando replicação de dados em Data Centers localizados em regiões distintas.

Fique atento: este recurso não é padrão na oferta de nuvem e precisa ser configurado individualmente na maioria dos casos.

 

3. A localização dos servidores garante mais do que latência

A nuvem não é um lugar mágico – onde seus arquivos são armazenados fisicamente realmente importa.

A localização dos servidores da nuvem pode afetar a velocidade de acesso e preços, mas é um erro pensar em localização apenas por este prisma.

Quando falamos em continuidade de negócios, localização em região diferente da principal e eventualmente o uso de fornecedores distintos realmente é algo a ser considerado.

 

4. Backup nem sempre é parte da oferta padrão

Fornecedores de nuvem nem sempre oferecem backup de dados armazenados dentro das métricas necessárias para o negócio de sua empresa.

Alguns fornecedores sequer oferecem backup dos dados como parte padrão de sua oferta.

Por padrão assuma que o fornecedor não oferece garantias e verifique com o mesmo como ele lida com backup, antes de definir um plano para isto.

 

Continuidade de negócios é um tema importante para você?

Se você quiser discutir os cenários de continuidade de negócios, com garantia de alta disponibilidade, segurança e conectividade integradas às ofertas em nuvem, entre em contato conosco pelo telefone (11) 3092 6161 ou pelo nosso formulário de contato.

 

Indisponibilidade de aplicações: Qual é o prejuízo para a sua empresa?

Passei alguns anos da minha carreira construindo projetos em ambiente de Data Center requisitados por diversas empresas de setores industriais distintos e muitas vezes percebi que o tema indisponibilidade e seus efeitos para o negócio como um todo não eram abordados com o aprofundamento necessário ou eram esquecidos ao se “espremer” por redução de custos. Lembro que em muitas reuniões tive que revelar este tema e perceber que era tratado com certa surpresa.

Se observarmos o relatório publicado pela Veeam (2016 Veeam Availability Report) feito com 1.140 tomadores de decisão de TI de 24 países, veremos claramente que as necessidades da corporação estão bem distantes de serem atendidas, e que as empresas de uma forma mais macro, precisam fazer da disponibilidade uma prioridade estratégica ou estarão arriscando a perda de até 16 milhões de dólares por ano em receita. Para ficar mais claro, vamos comparar os dados de 2014 com as informações obtidas em 2016:

  • O tempo de inatividade anual não planejado foi elevado:
    • 1,4 a 1,9 hora para aplicações essenciais.
    • 4 a 5,8 horas para aplicações não essenciais.
    • O número médio de eventos aumentou (de 13 para 15 eventos).
  • O custo médio anual do tempo de inatividade para uma organização pode chegar até US$ 16 milhões (US$ 6 milhões a mais que 2014).

É sempre importante destacar que o preço de uma indisponibilidade para um ambiente de produção pode ser mais impactante do que se pode imaginar. Observe a figura seguinte:

 

blog56546

 

Veja que mais da metade dos entrevistados (68%) revela que a confiança na organização pode ser afetada e 62% afirma que a confiança na marca pode sofrer danos. Os dados revelam que foram notadas quedas nos preços das ações, juntamente com a presença de processos judiciais. São dados que precisam e devem ser levados em consideração.

Imaginemos este acontecimento em empresas que operam com bolsa de valores ou com compras pela internet. É inaceitável imaginar que os consumidores de hoje aceitariam esperar 1 minuto para um site retornar ao funcionamento com o objetivo de concluir a sua compra. Questionar suas instituições se estão à altura deste desafio é uma tarefa que todos os líderes de negócio deveriam fazer.

Outro ponto importante para ser avaliado está centrado na causa do e nos efeitos do temido downtime (quedas funcionais) de uma aplicação. Quase metade dos entrevistados (48%) reportaram que suas organizações tiveram repetitivas experiências com quedas causadas pelo uso de upgrades na aplicação ou problemas gerados por correções feitas no sistema operacional. Aqui vale o questionamento: onde estão os ambientes para homologação e onde estão as metodologias para aplicação das correções em ambientes com cluster balanceados por cargas de trabalho?

Observe que a presença de um balanceamento de cargas é um importante aliado para corrigir um grupo de aplicações que apresentou algum tipo de problema. Outro elemento importantíssimo é o teste de backup. Somente 41% dos entrevistados afirmaram que usam seus backups como parte dos testes de recuperação e ainda assim, este backup possui uma recuperação em dias relativamente pequena. No Brasil, a média foi de 11 dias de dados recuperados por mês, na Alemanha 12 dias e na Itália 14.

Para concluir, é importante termos em mente que o desenho de qualquer projeto, seja ele físico ou virtual, deve considerar a sobrevivência da aplicação mesmo em condições de falhas. Claro que o desafio é sempre alinhar custos com perdas financeiras causadas pela ausência funcional da aplicação. Acredito que os números apresentados pela Veeam mostram que existe um longo caminho a ser trilhado, mas que existe solução se pensarmos estrategicamente com cuidado.

 

Denis Souza

 

Links indicados:

https://go.veeam.com/2016-availability-report-latam-br.html

http://convergecom.com.br/tiinside/home/internet/19/02/2016/indisponibilidade-de-aplicacoes-gera-prejuizo-de-us-16-milhoes-por-ano-as-empresas/

http://computerworld.com.br/brasileiras-perdem-us-18-milhoes-com-indisponibilidade-de-aplicacoes