Nuvem Privada ou Pública?

Atualmente há uma grande familiaridade dos profissionais de TI e de linhas de negócio com as nuvens públicas, onde dentre os principais players podemos destacar AWS, Microsoft Azure e Google, cuja principal característica é executar aplicações de centenas ou mesmo milhares de empresas simultaneamente dentro de ambientes virtuais em um mesmo em ambientes físicos dedicados a uma determinada organização.

As nuvens públicas oferecem uma série de benefícios, tais como custo competitivo e grande oferta de features. Mas, em algumas empresas, as limitações de determinado recurso da nuvem, as implicações na arquitetura e as regras de segurança de uma aplicação fazem com que as nuvens públicas sejam claramente desvantajosas para essas empresas. A transição de um ambiente dedicado para uma nuvem pública pode ser bem difícil.

As aplicações de missão crítica de uma empresa podem estar prontas para serem executadas em uma nuvem privada, sem que estejam aptas à migração para a nuvem pública por exigirem elevados níveis de segurança, confiabilidade, performance, customização, personalização, integração com ambientes legados, etc…

Níveis mais rigorosos de segurança, privacidade e integração, são características inerentes às nuvens privadas (private clouds). Além disso, as nuvens privadas possibilitam customizações para atender necessidades específicas de uma organização que normalmente não são possíveis de serem obtidas em nuvens públicas. O que pode ser de interesse de um pode interferir ou até prejudicar o outro.

Todas essas considerações a favor de uma nuvem privada não significa que as empresas que adotam nuvens privadas, no entanto, em algum momento devam recorrer também às nuvens públicas, ou múltiplas combinações de diversas ofertas de nuvem.

É preciso lembrar que a escolha da nuvem deve ser acompanhada de inteligência na alocação de recursos computacionais, plataforma, software, processos e governança, sem deixar de lado conceitos fundamentais, como elasticidade, gerenciamento de identidade, segurança e personalização de recursos para atendimento de diversas demandas.

A implantação de uma nuvem privada normalmente requer mudanças de conceito e quebra de paradigmas nas organizações. A empresa muda o olhar anteriormente direcionado para ativos tradicionais, como servidores e infraestrutura, para serviços contratados e consumidos sob demanda. Isto, após consolidado, estende-se com mais facilidade para as nuvens públicas, nos casos onde a melhor alocação de uma determinada aplicação pode não ser a nuvem.

Qual a melhor escolha para meu negócio?

Não se trata de melhor escolha e sim de diferentes escolhas. Empresas que utilizam Nuvem Privada também podem utilizar soluções em Nuvem Pública de forma combinada, o que chamamos Nuvem Híbrida.

Nós do UOL DIVEO acreditamos numa estratégia de Cloud próxima ao seu negócio, com uma equipe altamente especializada em serviços de gestão de múltiplas nuvens.