A criação de uma empresa: O mundo digital transformando os negócios

O mundo de Internet é muito dinâmico e desafiador. Acompanho a evolução da Internet desde 1995, portanto, há mais de 20 anos. Posso assegurar que é humanamente impossível estar up date com tudo, mas podemos ao menos estabelecer alguns focos e acompanhá-los. Temos a obrigação de saber o que acontece nos segmentos que atuamos, porém esse acompanhamento tornou-se muito desafiador.

Nos dias de hoje, a cada momento alguém em algum lugar do planeta lança algum sistema de meios de pagamento revolucionário ou cria alguma plataforma nova de e-learning que traz inovações etc. Principalmente pela facilidade onde qualquer pessoa com uma ideia – que pode ser boa ou não – tem condições de colocá-la no “ar” em minutos através de provedores de hospedagem em nuvem, como o UOL Host. E mais, pode também com alguns clicks associá-la à algum meio de pagamento que aceita todas as bandeiras de cartão de crédito como o Pagseguro.

A divulgação também ficou factível através de soluções associadas ao target desejado e o mais importante, estabelecendo o quanto você está disposto a investir na comunicação. Sem contar redes sociais, blogs, sites e outras ferramentas usadas para tal. Tudo isso de forma rápida, com despesas pequenas e pagas sob utilização ou demanda.

Enfim, tudo ficou mais fácil! O problema é ter uma ideia que faça a diferença e de fato possa ter atributo suficiente para atrair não só a atenção das pessoas como também que as façam consumir. Não podemos esquecer que boas ideias muitas vezes surgiram em teses universitárias e em empresas criadas em garagens. E hoje, muitas delas são líderes mundiais, usando plataformas universais.

Cada vez mais percebe-se empresas que acham que sua indústria ou serviço possuem tal peculiaridade que não precisam estar associadas ao mundo digital. Essas empresas mais cedo ou mais tarde quebrarão a cara. O problema ocorre quando além de não acordarem para essa verdadeira revolução digital, tentam remar contra.

A indústria fonográfica é um exemplo claro disso, plataformas digitais de música substituíram a venda de CDs, que daqui a pouco virará peça de museu, fazendo companhia aos discos de vinil. Os grandes conglomerados de mídia que não buscaram se modernizar, usando a Internet como aliada, também estão passando por dificuldades.

As vezes um aplicativo útil pode estimular um determinado serviço e destruir a forma antiga de se consumir, como por exemplo, os polêmicos aplicativos de táxi.

Uma coisa sempre prevalecerá, posso garantir que a vossa excelência o cliente é quem vai mandar nesse jogo. Esteja atento ao que ele está sinalizando pois é ele quem vai consumir ou não o seu produto ou serviço.

Foco no cliente é importante para nos anteciparmos e sempre satisfazer seus desejos, antes que algum concorrente o faça. E o pior é que esse concorrente, nesse mundo digitalizado, pode ter sido criado a pouco tempo, mas pode ter o “poder” de destruir o seu modelo de negócio. E o mais grave, o negócio do seu cliente também pode estar sendo ameaçado.

Bem-vindo ao mundo digital!

Gil Torquato

CEO do UOL DIVEO, Gil Torquato é Bacharel em Relações Públicas pela Fundação Cásper Líbero, pós graduado em marketing pela ESPM e MBA em Gestão Empresarial pela FGV.