oldiveoPor-que-as-soluções-de-CASB-devem-ser-a-próxima-prioridade-em-TI

Por que as soluções de CASB devem ser a próxima prioridade em TI?

No mundo onde a transformação digital vem exigindo que empresas coloquem uma parte crescente de seus dados críticos de negócio em cloud computing, não existe mais rede exclusivamente interna ou externa; a nuvem se tornou uma extensão da infraestrutura das empresas. E a segurança precisa seguir o mesmo caminho, seja para os dados, as aplicações ou os usuários.

Sabemos que dentro de uma organização, as tendências de shadow IT, BYOD e outras formas autônomas de consumo de serviços de TI devem considerar as perspectivas de risco de cada tipo de usuário. Quando a atividade do colaborador pode envolver práticas menos seguras, como expor dados sensíveis em redes sociais, o colaborador tende a contar com a sorte.

Por conta disso, a segurança da informação vem ganhando um novo aliado, chamado CASB (Cloud Access Security Brokers), uma ferramenta de software voltada para a segurança da informação do tráfego pela internet dentro do sistema na nuvem.

As soluções de CASB vem garantindo o devido controle e segurança, sem comprometer a agilidade do usuário de dispor das ferramentas que lhe forem mais úteis para geração de resultados ao negócio.

Até o final e 2018, 50% das organizações com mais de 2.500 usuários estarão com uma plataforma de CASB para controlar o uso dos produtos mantidos como SaaS (Software as a Service), afirma o Gartner. Ainda de acordo com a consultoria, em 2020, 85% das maiores empresas usarão um produto de CASB. Desta forma, a camada de segurança não precisa estar por padrão incluída no ambiente de Cloud, mas ele precisa estar pronto para ambientes que usem CASB.

Como o tema “Segurança da Informação” ganhou muita importância nos últimos tempos, notamos que independentemente do modelo de Cloud escolhido, ele tem que possuir mecanismos que protejam a autenticação para acessar o painel de gerenciamento.

É comum encontrarmos hackers descobrindo o usuário responsável pela administração das máquinas em Cloud e pedir resgate para devolver o acesso e não apagar ou danificar as máquinas virtuais que foram criadas. Tem-se assim, perdas financeiras reais. É importante ter um ambiente de contingência e um plano bem detalhado e ensaiada com simulações periódicas para recompor de forma rápida o ambiente em Cloud.

 

Um mercado em crescimento

Os aplicativos de Software-as-a-Service (SaaS), cada vez mais difundidos nas empresas, oferecem novos desafios às equipes de segurança com visibilidade e opções de controle limitadas. O CASB responde a um requerimento crítico dos CSOs, que é aplicar as políticas de monitoramento e gerenciamento de riscos por toda a gama de serviços na nuvem utilizados pela empresa.

Nos próximos anos, espera-se que o CASB seja o principal mecanismo de segurança da informação que trafega pelo sistema na nuvem. Recentemente, já é possível identificar novos produtos disponíveis conforme o grau de maturidade de cloud, seja ela pública ou privada.

Segundo dados do Gartner, em 2020, 80% dos negócios envolvendo CASB farão parte de uma plataforma que integrará firewall, secure web gateway (SWG) e web application firewall (WAF). Ainda de acordo com o levantamento, o CASB é a única garantia de segurança quando o assunto é computação em nuvem. Ao final de 2016, ao menos 25% das empresas irão adotá-lo.

 

Principais funcionalidades do CASB

Dentre os principais mecanismos utilizados pelo CASB podemos mencionar:

 

Controle de políticas de acesso: trata-se de uma ampla gama de regras que visam ser utilizadas no controle de acesso.

 

Controle de autenticação – busca verificar a identidade digital do usuário. Existem diversos modos de autenticação:

  • Token – atualmente, o mecanismo de segurança mais conhecido e utilizado no mercado, o token cria uma senha única do usuário, garantindo a integridade do acesso. Existem diversas formas de token, porém a mais relevante se apresenta no formato de software.
  • Single sign-on – o usuário utilizará o mesmo log in para todos os aplicativos e dispositivos. Com isso, os custos de TI são reduzidos, porque implicam em menos chamados no help desk em função do único usuário. Além disso, permite a redução do tempo de reentrada de senhas com a mesma identidade.
  • Criptografia – fundamental para que as informações críticas dos usuários estejam preservadas.

 

Controle de Workflow do compliance – Consiste em um painel de alertas que mostra as atividades ocorridas fora do previsto, gerando maior controle sobre como os colaboradores estão aptos a seguir o fluxo estabelecido pela organização.

 

Log – Garante que cada atividade suspeita ou com sucesso seja gravada para avaliação posterior.

 

Prevenção contra malware – O CASB também possui uma heurística capaz de identificar e eliminar os diversos aplicativos prejudiciais ao sistema da empresa, usuários mal-intencionados e links maliciosos e faz varreduras em todo o sistema na nuvem, além de manter o setor de TI da empresa ciente de possibilidades reais de ataques cibernéticos.

 

Integração com o DLP (Digital Light Processing): o DLP é uma ferramenta de segurança que, quando integrada ao CASB, aumenta o poder sobre o uso de um determinado aplicativo, ao controlar, por meio de um dispositivo óptico, o uso de um software.

 

Ação em tempo real

O CASB executa esses monitoramentos e correções de forma constante e sem interrupções, a fim de fornecer relatórios atualizados sobre a segurança das informações, aplicativos utilizados no sistema na nuvem e infrações às políticas de segurança da empresa, entre outras informações.

O empreendedor, ao acessar o CASB, poderá acompanhar e monitorar informações já existentes antes da implantação desse sistema de segurança, tendo conhecimento do tráfego das informações, possível disseminação de vírus, compras não autorizadas e identidade do usuário, além de incorporar essas informações ao seu banco de dados.

 

CASB, uma ferramenta adicional

Escolher o fornecedor certo implica em mitigar muitos riscos de segurança na nuvem. Os CASBs não devem ser vistos como um substituto para os firewalls e outros recursos de segurança existentes para proteção, mas sim como uma ferramenta adicional. Hoje, ele está se tornando essencial, ao permitir o nível mais profundo de visibilidade, investigando as ações individuais dos usuários por meio do seu uso e determinando o tipo de ameaça que a organização poderá enfrentar.

Tudo vai depender do nível de maturidade da sua empresa com relação à nuvem.

 

Com os serviços de segurança do UOLDIVEO, sua empresa pode encontrar diversos serviços que buscam a continuidade do negócio e proteção de informações dos clientes.

Os serviços vão desde DDoS Protection, um pilar para sustentar a disponibilidade dos seus serviços, e evitar perdas financeiras importantíssimas, até a proteção específica para a aplicação Web, por meio do Web Application Firewall (WAF), um produto destinado a aplicações web, protegendo-as contra ataques à sua aplicação exposta à internet, deixando seu acesso mais rápido ou auxiliando na defesa contra o furto de informações existentes nas bases de dados usada pela sua aplicação.

Não basta ter uma infraestrutura confiável ou hardwares tecnicamente reconhecidos pelo mercado, é importante considerar o apoio de uma equipe especializada em ciberataques (cyberattack). Entre em contato e consulte-nos.

 

Conheça os erros mais comuns na hora de migrar para a cloud

Conheça os erros mais comuns na hora de migrar para a cloud

Os céticos em acreditar que a cloud computing seria um modismo passageiro, já se conscientizaram de que a nuvem não trata de um simples conceito, mas sim de um modelo de TI. Virou uma verdadeira corrida e um desafio contra o tempo, pois quem não está dentro tem a noção de atraso frente aos seus concorrentes.

A computação em nuvem está em uma fase avançada de expansão no mercado, porém muitas companhias ainda cometem erros de implementação, amargando prejuízos e – pior ainda – colocando suas informações em risco. Alguns problemas decorrentes desses erros são rapidamente corrigidos, mas outros podem destruir projetos inteiros.

Implementar uma estrutura de nuvem em um ambiente de produção não é um processo fácil e possui custo significativo. Por este motivo, mapeamos as principais falhas cometidas pelos tomadores de decisão na hora de migrar para a nuvem.

 

Confira:

 

1 – Olhar para a infraestrutura e não para a aplicação

Este é o primeiro erro cometido e que pode ser a razão de muitas dores de cabeça. Antes de tomar alguma decisão, é necessário compreender o nível de maturidade das diversas aplicações. Algumas delas estão 100% preparadas para a nuvem, outras ainda não. Importante saber que aquelas imaturas para a cloud simplesmente não irão funcionar.  

Por isso, o principal item de reflexão antes de qualquer decisão é analisar o que está sendo levado para a nuvem. Não hesite caso seja necessário fazer substituições de aplicações, em situações em que as mais antigas não estiverem adequadas ao novo ambiente. Vale mais a pena realizar investimentos antes, do que amargar situações desagradáveis na implantação.

 

2 – Tenha cuidado com a cultura da companhia

Ao tomar a decisão de levar as aplicações para a nuvem, avalie se a companhia continua operando da forma tradicional. Muitas empresas acreditam serem digitais, mas na hora “H”, não é bem assim.

É importante que haja uma real mudança na cultura, e isso leva algum tempo.  Os colaboradores precisam ser engajados para a implementação da nova tecnologia. Muitas vezes, os colaboradores não possuem know how para a mudança e, nesses casos, é melhor contar com um parceiro de confiança.

 

3 – Avalie o posicionamento do fornecedor

Este é um erro comum, cometido por falta de tempo ou desconhecimento. Muitas vezes, o fornecedor indica uma nuvem que não se aplica da melhor maneira às necessidades daquela empresa. Infelizmente, a situação é recorrente em empresas de porte pequeno e médio, que contratam parceiros com uma única bandeira de cloud. É preciso estudar bastante as opções antes de selar um contrato, conhecer as opções disponíveis no mercado e ter calma antes de tomar uma decisão.

 

4 – Falta de conhecimento sobre os modelos de nuvem disponíveis

Existem três tipos diferentes de “nuvens”: públicas, privadas e híbridas. Dependendo do tipo de aplicação ou requisito de negócio, é preciso comparar as diferentes opções que nuvens privadas, públicas e híbridas podem oferecer.

Para que se possa decidir sobre um modelo de nuvem, determine qual é o modelo ideal para o seu negócio. Arquitetar a nuvem é uma das decisões mais importantes de tecnologia que você irá enfrentar.

 

5 – Falta de planejamento da migração

Migrar para a nuvem implica em pensar cada detalhe antes de agir.  É importante investigar assuntos que vão desde as legislações a respeito das informações que estarão na nuvem até questões sobre segurança. Caso contrário, corre-se o risco de ter um sistema incapaz de oferecer os serviços apropriados para os usuários e, o mais importante, de passar por uma auditoria.

 

A abordagem consultiva como chave

Devemos considerar que uma abordagem consultiva é a chave para equilibrar os benefícios e os riscos de nuvem. É a melhor forma dos gestores de TI tirarem proveito dos benefícios de uma nuvem privada e pública.

O caminho natural da adoção depende da maturidade tecnológica da empresa e, normalmente, passa de uma estrutura tradicional para uma virtualização, indo para uma nuvem privada e, em seguida, com a extensão dos recursos, para a nuvem pública, formando a nuvem híbrida.

Para finalizar, conte com um parceiro qualificado para apoiar a jornada do seu negócio. Afinal, arquitetar nuvens é tarefa que exige especialização e experiência.

 

Tullio Bertoldi Christianini

 

Gestão na nuvem: ainda um desafio para o CIO

Gestão na nuvem: ainda um desafio para o CIO

A área de tecnologia da informação vem passando por uma importante transformação nos últimos anos: os CIOs estão deixando de realizar investimentos altos em máquinas e capacitação técnica para apostarem na contratação de tecnologias como serviços, como por exemplo o SaaS, PaaS e IaaS.

Neste ponto, a cloud computing torna-se a bola da vez, já que as empresas precisam cada vez mais de flexibilidade, escalabilidade e mobilidade para alavancarem os seus negócios.

Até aí tudo seguindo o ritmo natural. Porém, o ponto que vem tirando o sono de muitos gestores começa depois dessa etapa. Agora que o datacenter e as aplicações já estão na nuvem como fica a gestão desses serviços?

Quando uma empresa reduz boa parte da infraestrutura física e migra para a nuvem, ela está em busca de escalabilidade e flexibilidade, mas precisa continuar tendo o controle do que está acontecendo com seus dados.

Muitos gestores de TI estão se perdendo no processo de digitalização dos negócios.

Não adianta investir em transformação digital se não conseguir gerir de forma eficiente o ambiente.

Mas cabe à TI controlar isso sozinha?

 

Busque um parceiro para ajudar no processo de gestão da nuvem

Planejar e gerenciar a infraestrutura de TI é um passo fundamental para ter sucesso na estratégia de migração para a nuvem, principalmente quando se fala de negócios digitais.

Por isso, mais do que nunca, o profissional de TI deve estar focado na evolução do negócio e não apenas acompanhar a performance das “luzinhas” dos sistemas.

O melhor a fazer nesse caso é contar com o apoio de um parceiro como o UOLDIVEO, por exemplo, que vai ajudá-lo a gerir seus sistemas e aplicações em cloud. Isso é essencial para ter a orquestração dos ativos e serviços da empresa de modo estratégico, olhando a TI como um todo.

A digitalização do negócio é um caminho sem volta. Portanto, não adianta partir para essa jornada, se não consegue gerir de forma eficiente os recursos na nuvem. Isso vai ocasionar estouro no orçamento e uma série de outros problemas relacionados à infraestrutura de TI.

O UOLDIVEO é um player agnóstico, que trabalha com todas as nuvens públicas e também com a nuvem privada. Assim, está pronto para apoiar o cliente para qualquer caminho que ele decida seguir.

Portanto, deixe de perder noites de sono tentando resolver sozinho a gestão dos ativos na nuvem. Busque o apoio de um especialista para ajudar a solucionar essa questão.

 

Rodrigo Balleroni

 

Transformação digital: entenda o papel do cloud computing

Transformação digital: entenda o papel do cloud computing

Muito se tem falado sobre transformação digital como um conceito. Entretanto, não se trata de uma teoria para o futuro, mas sim de algo pelo qual as empresas precisam dar o máximo de atenção para continuarem vivas e se manterem competitivas.

Diariamente somos impactados pela transformação digital, mas no mundo corporativo isso implica em uma mudança radical na estrutura das organizações. Vivemos o período em que TI está deixando de ser coadjuvante para desempenhar um papel estratégico central, apoiando as empresas a melhorarem seu desempenho, garantindo resultados cada vez mais satisfatórios.

O IDC prevê em seu estudo “Guia de gastos Transformação Worldwide Digital” que os investimentos das empresas globais com projetos para promover a transformação digital em 2017 devem passar de US$ 1,2 trilhão, um aumento de 17,8% em relação a 2016.

Os gastos com a transformação digital nas organizações, segundo a pesquisa, terão crescimento anual da ordem de 17,9%, chegando em 2020 com despesas da ordem de U$ 2  trilhões comparados a 2015. E para seguir o caminho da era digital, as companhias deverão investir em cloud computing, mobilidade, Big Data, Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial e computação cognitiva.

 

E como a computação em nuvem está contribuindo para isso?

O primeiro pré-requisito para uma empresa ingressar ou expandir sua estratégia rumo à transformação digital é planejar o uso de uma tecnologia robusta e inovadora, que acompanhe o crescimento do negócio no curto, médio e longo prazos. As empresas devem estar antenadas às tendências ditadas pela IoT (Internet das Coisas), mídias sociais, dispositivos móveis e, principalmente, a nuvem.

A computação em nuvem é a base para a transformação digital, já que permite às empresas serem mais ágeis, terem mais performance, segurança e redução de custos.

Com os negócios cada vez mais digitais, praticamente todos os setores da economia estão sendo impactados e isso acabará beneficiando não só as empresas, mas especialmente os clientes que fazem parte das novas gerações e que possui um nível de afinidade maior com as novas tecnologias. Como a evolução não pára, novos produtos e serviços serão lançados e os tradicionais modelos de negócios sofrerão mudanças.

As companhias que pensarem digitalmente terão mais oportunidades para melhorar as experiências do usuário, aumentar a flexibilidade, incrementar os negócios e minimizar as despesas.

A cloud computing é fundamental para que as empresas, independentemente de seu porte e setor, encarem os desafios impostos pela transformação digital.

 

IoT e IA: entenda por que a nuvem é fundamental?

IoT e IA: entenda por que a nuvem é fundamental

Muitos especialistas talvez ainda acreditem que a Internet das Coisas (IoT) e o cloud computing não possuem relação significativa entre si. No entanto, temos muitas razões para crer que o cloud computing é um verdadeiro combustível para inovação e, consequentemente, para a IoT.

Em apenas uma década, a computação em nuvem teve início de forma marcante na rotina das pessoas, mudando a maneira como as empresas executam suas tarefas e como traçam suas estratégias. Ela trouxe consigo um mercado em expansão no mundo inteiro, abrindo um leque de oportunidades e mostrando como os negócios podem ser mais rápidos, ágeis e econômicos para atender as necessidades dos consumidores.

Enquanto muitos só pensam na nuvem com relação à servidores e armazenamento, ela vem oferecendo uma infinidade de novos recursos que estão revolucionando a tecnologia. Estas características da nuvem marcam a arquitetura da IoT e, por isso, estão rapidamente expandindo e impulsionando a inovação nesta indústria.

Para se ter uma ideia da ascensão desse mercado, um estudo realizado no setor de B2B, pela empresa de pesquisa norte-americana Clutch, com 283 profissionais de TI, apontou que uma em quatro empresas que fazem uso de tecnologia na nuvem já usam recursos de IoT.

 

A nuvem que preenche lacunas

Um dos primeiros espaços ocupados pela nuvem e que é muito utilizado por IoT é a inteligência artificial, sempre voltada para tarefas que incluem frequentemente a tomada de decisão, percepção e análise complexa. Os atuais avanços da indústria de cloud computing permitiram à inteligência artificial evoluir para o uso diário com maior poder de computação e armazenamento de dados.

Outro espaço comum preenchido pela nuvem diz respeito a quantidade de informações recebidas e processadas em tempo real. A nuvem oferece plataformas sofisticadas de Big Data e Analytics, que auxiliam aplicações de IoT a descobrirem informações e insights entre dados que aparentemente não tem relação.

Previsões da IDC afirmam que o ecossistema de IoT movimentará US$ 13 bilhões até 2020, com cerca de 212 bilhões de “coisas” conectadas à internet, no país. E para que tudo isso seja possível de acontecer, o investimento em cloud computing é essencial.

 

IoT e IA são mais populares entre as empresas do que se imagina

O uso significativo de recursos para IoT e Inteligência Artificial nas companhias de todos os portes indica que ambos não são uma coisa passageira em cloud computing.

Há inúmeros exemplos que comprovam essa realidade. Na área da saúde, por exemplo, a internet das coisas já vem sendo usada para monitorar os pacientes por meio de wearables (dispositivos vestíveis). Esses dispositivos são capazes de transmitir dados sobre o tratamento de portadores de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão arterial e outras doenças que exigem acompanhamento constante. Isso não é mais uma novidade. É cotidiano.

Outro exemplo está entre companhias elétricas. O uso de IoT para monitoramento de desgaste de componentes ajuda a cortar custos de manutenção e operação, além de identificar potenciais falhas de equipamento antes que quebrem completamente. Por exemplo, se uma lâmpada queima em uma via pública, o centro de operações pode ser avisado no mesmo instante.

Na agricultura, sensores podem monitorar a temperatura do ar, do solo, a velocidade do vento, umidade, umidade das folhas e coloração das frutas. Compartilhando as informações de agricultores do mundo todo, sistemas de inteligência artificial podem tomar ações para melhorar os rendimentos do produtor.

Neste cenário, não há ficção científica ou especulação. Cloud computing e as novas tecnologias estão intimamente ligados e vai permitir que empresas se reinventem.

A revolução causada pelos smartphones não será nada perto dessa nova fase que está iniciando.

 

cloud-hibrida-ou-multicloud

Cloud Híbrida ou Multicloud: entenda as diferenças

Investir em cloud computing é uma estratégia mandatória para as empresas que precisam de mais agilidade, disponibilidade de infraestrutura de TI e mudança de modelo de investimento.

Segundo um estudo da Harvard Business Review, realizado com 452 executivos de TI, quanto mais os serviços de cloud computing tornam-se confiáveis, mais as empresas conseguem se adaptar a eles rapidamente e notar seus benefícios. Ainda de acordo com o estudo, 40% dos entrevistados garantiram que o uso da nuvem aumentou a receita de sua empresa e 36% afirmaram que a adoção fez a margem de lucro subir.

 

Mas qual nuvem é mais indicada para o seu negócio?

Muito tem se falado sobre as vantagens da cloud Híbrida e de Multicloud, mas o mercado ainda tem dificuldade em compreender as diferenças entre as nomenclaturas.

A princípio, elas podem parecer insignificantes, e muitos executivos, incluindo aqueles que sabem o que estão falando, usam os dois termos de forma ambígua, gerando ainda mais confusão e incerteza.

 

Vamos começar explicando o que Multicloud significa

Multicloud envolve o uso de múltiplos serviços em nuvem, mas não é só isso. É ainda a combinação de tecnologia, proximidade com o negócio do cliente e pessoas. Ao adotarem a nuvem, as empresas buscam maneiras inovadoras para alavancar a tecnologia. Logo, diferentes nuvens são mais adequadas para diferentes necessidades.

Empresas com características tipicamente digitais estão modificando os mercados tradicionais, proporcionando novas experiências aos clientes. Ao mesmo tempo, as companhias convivem com o desafio de manter sistemas e processos legado, sendo desafiadas a buscar na transformação digital inovação e agilidade.

Para isso, as diversas aplicações têm diferentes requisitos de nuvem e algumas não funcionam adequadamente em ambiente de nuvem. Nesse ponto, o Multicloud se faz efetivo, permitindo que empresas utilizem nuvens com tecnologias e características diferentes.

 

Confira 7 motivos para optar por Multicloud:

 

  1. Orquestração

A utilização da orquestração permite, por meio de código e a automação, definir a infraestrutura executada em várias nuvens.

 

  1. Armazenamento de dados resiliente

Considerando que há diferença entre os principais fornecedores de nuvens, é importante ressaltar a latência desejada, a durabilidade dos objetos e a recuperação de dados. Se a redundância é algo vital para o seu negócio, considere a utilização de diversos provedores em nuvem.

 

  1. Flexibilidade de recursos

Ao utilizar os diversos recursos oferecidos entre provedores, é possível montar táticas combinando API entre nuvens e assim, contar com soluções completamente customizadas e diferenciadas do mercado. Além disso, também pode proporcionar uma grande economia de recursos financeiros.

 

  1. Segurança

Com a combinação entre ambientes diferentes, a segurança conquistada por meio da identificação e autenticação entre diversas nuvens é fortalecida dentro da sua estratégia.

Mas para garantir um ambiente seguro, é preciso contar com reforço otimizado para ambientes virtuais e distribuições híbridas, além de aumentar visibilidade para proteger seus dados, não importando onde eles residem. Outro ponto importante é dispor de soluções que detectem as ameaças mais avançadas e que possa corrigi-las.

Os controles e suas políticas de segurança devem ser integrados, para que a segurança seja distribuída de maneira consistente por todas as instâncias de nuvem. Vale ainda estender os mesmos controles e políticas de segurança utilizados em seus servidores físicos aos ambientes virtualizados e às distribuições de nuvens pública e privada.

 

  1. Otimização em nível global

O multicloud oferece a utilização de diversos provedores ao redor da rede, garantindo presença global levando em conta as características locais.

 

  1. TI como serviço

O Multicloud facilita a evolução da TI para um ‘service broker’, suportando as empresas na otimização do consumo e recursos de acordo com as melhores soluções.

Da mesma forma, como em qualquer projeto não ficamos restritos à apenas um único fornecedor, o mesmo pensamento se estende à estratégia Multicloud. Atuar com diversos modelos de clouds, em um formato pensado exclusivamente para o negócio do cliente, garante a melhor performance.

 

Importante:

Uma estratégia Multicloud pode contar com soluções de nuvens públicas, privadas ou híbridas. As empresas que utilizam Multicloud podem estar usando nuvem híbrida em muitos casos, mas não obrigatoriamente.

 

 

Esclarecendo a nuvem Híbrida

A nuvem híbrida é baseada na combinação de nuvens privadas e pública, mas não necessariamente de fornecedores diferentes.

Usando políticas de provisionamento, utilização e gestão por meio de vários serviços em nuvem internos e externo é possível utilizar uma nuvem pública para ganho de escala e economia financeira e em outros casos a nuvem privada com características personalizadas para workloads muito específicos.

A grande vantagem do híbrido é a diversidade de opções para escolher.

 

Mas afinal, o que é mais vantajoso?

Não existe melhor ou pior. Tudo depende do momento do seu negócio. Empresas que utilizam Multicloud também podem utilizar nuvem híbrida. Basta saber que a abordagem Multicloud permite às empresas utilizar nuvens com tecnologias e características diferentes e com muito mais possibilidades de fornecedores.

A melhor forma de decidir o que faz mais sentido para sua empresa é contratando um fornecedor agnóstico, capaz de avaliar a melhor opção de forma isenta. Em conjunto, vocês podem analisar as necessidades do negócio e definir a estratégia mais adequada.

O Multicloud UOLDIVEO, por exemplo, é uma abordagem criada para ajudar as empresas a promoverem a transformação digital dos negócios utilizando as melhores características de cada fornecedor. Mais do que flexibilidade e agilidade, esse conceito  fortalece o papel estratégico da TI.

Entre suas vantagens, está o fato de funcionarem em diversas nuvens como AWS, MIcrosoft, Google, VMware, Openstack e até mesmo uma combinação delas, geridas pela mesma empresa, com atendimento único e especializado.

Há ainda outros benefícios oferecidos pelo UOLDIVEO como consultoria da jornada para a nuvem, o que garante mais segurança sobre a estratégia de negócios, além de suporte premium dos fabricantes para qualquer volume de consumo, implantação, sustentação e otimização da infraestrutura.

 

UOLDIVEO

 

sua empresa tem um plano de desastre

Sua empresa está preparada para o próximo desastre?

A palavra desastre está associada a perdas, que podem ser de diversas naturezas e proporções. Quando alguém na Pixar acidentalmente executou um comando de exclusão no local que armazenava o filme Toy Story 2, um ano de trabalho foi apagado. O sistema de backup falhou e… adivinhem! Não havia mais filme.

 

Foi um verdadeiro desastre. Mas os desastres podem ocorrer de diversas maneiras: queda de energia, erro humano, falhas operacionais, ataques maliciosos e podemos mencionar até mesmo os desastres naturais, que muitas vezes fogem do nosso controle. Uma coisa é certa: em todos os casos, ter um plano preventivo é fundamental para anular seus efeitos ou, ao menos, minimizá-los.

 

Sua empresa tem um plano de contingência?

Segundo a edição mais recente do Relatório Global de Fraude & Risco, publicado anualmente pela consultoria Kroll, aproximadamente uma a cada quatro empresas (23%) sofreu nos últimos 12 meses pelo menos uma violação de sistema resultando em perda de dados de clientes ou funcionários. O problema é o segundo maior fator de vulnerabilidade – atrás apenas da infestação por vírus/worms – e o quarto mais recorrente no mundo empresarial.

 

O estudo entrevistou cerca de 550 executivos dos mais diferentes setores em todo o mundo que são responsáveis ou que influenciam diretamente as decisões quanto a programas e estratégias de segurança e combate a fraudes.

 

A segurança cibernética é a mais ameaçada. Ataques, roubos ou perda de informações sigilosas foram reportados por 85% dos respondentes, a maior taxa de incidência no mesmo período. Chama também a atenção o fato de que a maioria desses eventos se dá por vulnerabilidade de software, citado por 26% dos participantes.

 

Muitas empresas ainda adotam backups lentos, destinado à recuperação de ambiente e máquinas individuais – o que não representa uma solução abrangente de recuperação de aplicação e dados. Ou ainda, mantém DRs internos com alto custo e investimentos e sem a possibilidade de aumentar rapidamente sua capacidade. Além disso, em caso de desastre, a proteção fica comprometida.

 

Recuperação de desastre como serviço (DRaaS)

Atualmente, já chegaram ao mercado soluções de DRs com foco na recuperação de desastres de nível corporativo, sem a necessidade de investimento de capital. São soluções que permitem RPO (Recovery Point Objetive) de 15 minutos a até 24h, com implementação simples e realizada em poucos minutos. Com apenas um clique, é possível replicar e salvar as informações.

Simples, rápido, seguro, econômico e implementado por especialistas: essas são as características das soluções DRaaS – recuperação de desastres como serviço.

 

Veja mais sobre os benefícios desta modalidade:

  • Facilidade de uso da ferramenta
  • Recursos disponíveis da ferramenta
  • Custo inferior a soluções de DR tradicionais
  • Suporte dedicado e monitoramento
  • Planejamento e execução de testes de desastre

 

Com uma replicação assíncrona, simples e segura, o DRaaS é uma maneira fácil para iniciar sua jornada para a nuvem e começar a se beneficiar de uma TI ágil e escalável.

 

O UOLDIVEO tem atendido o mercado corporativo com serviços que permitem a continuidade dos negócios inclusive em casos de infecção por malwares / ransomwares.

Quer debater mais sobre abordagens para recuperação de desastre? Entre em contato conosco e compartilhe com a gente suas dúvidas.

 

UOLDIVEO

 

Como contratar os serviços certos para a nuvem

Como contratar os serviços certos para a nuvem?

Sempre que um tema ganha popularidade, traz consigo também suas distorções. Discursos parecidos, ofertas similares, players surgindo a todo momento, mas na prática é preciso compreender a importância de se encontrar um parceiro confiável para que sua experiência seja a mais tranquila possível.

 

A computação em nuvem atua na espinha dorsal do negócio. Traz consigo números de grande envergadura. Um levantamento da consultoria IDC apontou que dois terços das empresas globais já utilizam cloud computing e que tais serviços devem movimentar US$ 43,6 bilhões até 2020.

 

Não há mais como fugir!

 

É justamente pela popularidade do tema que grande parte das companhias ainda estão receosas sobre quais serviços podem ser colocados em cloud computing. Assim, muitas vezes, deixam de dar uma chance à tecnologia por questões de confiança na segurança das informações, performance, disponibilidade e a incerteza nos modelos com custos variáveis (que costumam ser flexíveis, de acordo com a utilização).

 

Ocorre também o contrário: algumas empresas, por impulso, migram muitas aplicações para a nuvem de uma só vez, sem o devido planejamento.

 

Se você tem dúvidas sobre quais serviços podem funcionar em cloud computing, vamos esclarecer a seguir:

 

1. Infraestrutura como serviço (IaaS)

Conhecidos como IaaS, os serviços de infraestrutura em nuvem são os que mais crescem no mundo. Quer ver um dado surpreendente? De acordo com o Gartner a infraestrutura de serviço foi responsável por 38,4% do faturamento total no mercado de cloud computing em 2016.

 

2. Plataforma como serviço (PaaS)

Esse é o modelo menos conhecido de cloud computing.  A PaaS fornece a infraestrutura necessária para que os desenvolvedores de software construam novos aplicativos ou aumentem as funcionalidades de soluções já existentes. Esse modelo é atrativo para empresas que precisam criar aplicativos customizados, e também para os desenvolvedores de software e empresas que vendem soluções para nichos específicos.

 

3. Software como serviço (SaaS)

Permite definir um modelo no qual os softwares são mantidos por um fornecedor. Dessa forma, os clientes podem usar a aplicação sem que TI precise se preocupar com infraestrutura, banco de dados, middleware, etc.

Tenha em mente que seja lá qual for o serviço de cloud computing contratado, todos os modelos tem benefícios. Essa é a principal dica para que os resultados do seu projeto em cloud computing mantenham alta performance e contribuam para a produtividade da companhia.

 

UOLDIVEO

 

Sua TI está preparada para se transformar em TN

Sua TI está preparada para se transformar em TN?

A transformação digital enfrentada pelas companhias traz à tona um novo desafio: fazer com que a TI se torne TN, ou seja, Tecnologia de Negócios.

 

Embora o termo seja relativamente novo, essa sigla decorre de uma longa evolução tecnológica que leva o mercado a compreender como a tecnologia pode incrementar os resultados de grandes companhias.

 

Algumas delas já estão realizando a migração para esse nível na prática, utilizando conhecimento para apoiar o negócio e fazendo interface não apenas com o usuário, mas com toda a empresa.

 

TI como apoiadora do negócio como um todo

O desafio é grande. Abraçar a transformação digital significa que a área de TI deve conversar de igual para igual com as demais áreas. Se avaliarmos o nível dos sistemas e informações utilizados versus o que existe para a TI e traçarmos um paralelo, seria o mesmo que dizer que a TI está vivendo na época das planilhas, enquanto o negócio vive a era do Business Intelligence.

 

No alto escalão das companhias, as reflexões envolvem discussões estratégicas. De acordo com um estudo do Gartner, 80% dos CEOs têm iniciativas de modelos de negócios digitais, porém 70% deles têm um líder digital, sendo 20% deles CIOs. Dentro desse contexto, 40% dos CEOs acham que os CIOs têm habilidades para ser o líder digital, e 10% dos CEOS mencionam o CIO como fonte primária de informação.

 

Transformar a TI em TN significa contar com uma tecnologia totalmente voltada ao “core business” da empresa, permitindo que a informação evolua para conhecimento e, consequentemente, para o aumento das vendas e melhorias de processos com foco nos lucros. Isso gerará ainda mais valor para a área.

 

Negócios digitais

Um levantamento do IDC apontou que 83% das empresas já usa ou pretende usar um ambiente de nuvem híbrida. Cerca de 73% delas concordam que um modelo de nuvem híbrida cria uma caminho para os negócios digitais. Ainda segundo a pesquisa, a transformação digital proporcionada pelas nuvens híbridas ajuda as organizações a melhorarem a agilidade da TI e ainda transformam as iniciativas de implementação do negócio digital em um processo mais rápido, fácil e econômico.

 

As empresas que desenvolverem uma capacidade digital plena, abrangendo desde a concepção e o desenvolvimento, até a implementação e o gerenciamento das soluções, são aquelas que vão se sobressair nos próximos anos. Elas terão mais condições de evoluir seus negócios digitais continuamente, com agilidade, além de oferecer níveis elevados de sofisticação e escala.  

 

Com o apoio da computação em nuvem, os serviços digitais serão mais ágeis e disponíveis sob demanda. Assim será mais simples automatizá-los e personalizá-los para promover melhores experiências aos clientes.

 

A migração para a nuvem nos tempos atuais é um movimento quase inevitável às empresas de todos os segmentos. Algumas delas ainda estão descobrindo as melhores formas de fazer essa migração; outras já erraram e estão buscando melhorar. Esses são apenas o primeiro passo para que a tecnologia seja finalmente vista como fundamental para os negócios.

 

UOLDIVEO

 

A importância do parceiro consultivo na estratégia Multicloud

Pensar numa estratégia Multicloud pode levar uma empresa a associar, num primeiro momento, a algo extremamente complexo. O checklist, sem dúvida, envolve uma série de requisitos de autenticação, segurança, integração, integridade dos dados e disponibilidade dos serviços.

De fato, a disponibilidade da tecnologia em abundância tornou-se uma commodity. E onde está o diferencial de um parceiro efetivo? Onde encontrar um fornecedor que vá além dos critérios técnicos e comerciais e pense em todos os aspectos estratégicos de um projeto.

 

Confira 5 temas importantíssimos numa estratégia Multicloud:

 

1 – Seleção da melhor nuvem – Nuvem privada, pública ou híbrida? Essa é uma questão inevitável, pois implica em autenticações, logs e controle de acesso, permissões, configurações e cobrança entre as nuvens. Na estratégia Multicloud, todos esses requisitos são pensados de forma estratégica, do planejamento à operação, passando até por fatores fora da curva. Isso permite extrair o melhor de cada nuvem, impactando na qualidade, performance e otimização de recursos na entrega de resultados.

 

2 – O DNA do projeto define a jornadaCada projeto tem um DNA e este fator é que define a sua jornada. Entender a maturidade das aplicações é estratégico. As características e requisitos suportados por cada nuvem como custo, desempenho, flexibilidade, abrangência e simplicidade de uso necessitam ser analisadas. Dessa forma, somente uma abordagem Multicloud possibilita a evolução para um modelo de TI dinâmico, ágil e flexível.

 

3- Disponibilidade dos serviços– Quem contrata quer um serviço sem interrupções. E como prever tudo isso quando estamos tratando de camadas de hardware, software e infraestrutura? Tudo é pensado de forma integrada quando uma estratégia Multicloud é adotada. Estamos falando aqui, entre outros itens, de gestão de identidade, gestão de capacidade, gestão de configuração, automação e billing.

 

4 – Controles financeiros – Pelo volume de itens envolvidos e por tudo rodar nas nuvens, ter o controle financeiro sem dúvida é um grande desafio. A estratégia Multicloud permite maior controle interno de infraestrutura, oferecendo, simultaneamente, total atenção ao cliente, na face para o mercado. Isso representa uma melhoria de performance contínua na eficiência operacional e assegura maior satisfação para o cliente.

 

5 – Versatilidade do parceiro – É fundamental contar com um parceiro que domine tecnologias diferentes e que tenha experiência em projetos de diversas complexidades. Dificilmente você encontra tanta versatilidade aproveitando somente sua equipe interna, pois seria necessário manter grandes talentos e isso tem um custo muito alto.

 

Em empresas como o UOLDIVEO, não há apenas um profissional especializado, mas sim dezenas deles. Formamos e treinamos uma equipe de profissionais que une os aspectos técnicos e consultivos a uma longa trajetória de sucesso, endereçando a adequada solução aos projetos de seus clientes com robustez e segurança.

 

Isso só é possível porque o UOLDIVEO continuamente evolui sua oferta, colocando-se no lugar do seu cliente, ao pensar naqueles assuntos que asseguram tanto o sucesso do negócio, quanto tiram as noites de sono dos líderes de equipe, em função de um risco possível.

 

Apontar problemas e soluções para assuntos básicos de hardware, software e infraestrutura é simples. Mas quando a estratégia Multicloud é missão crítica do negócio do cliente, o compromisso toma outras proporções.

 

Nessa direção, em menos de um ano, o UOLDIVEO firmou parcerias com os principais players do mercado de tecnologia, como Microsoft Azure, Google Cloud Platform e Amazon Web Services (AWS), endossadas com os mais elevados níveis de certificação em cada marca. Ou seja, trabalhar com pleno domínio as tecnologias ícones de padrão de mercado representa um diferencial único de atuação.

 

UOLDIVEO