O futuro é exponencial

  Sempre quando ouço falar sobre bitcoin lembro do livro Reconhecimento de Padrões, do William Gibson – famoso pela trilogia Sprawl, inspiração de Matrix – onde, em 2003, ele já especulava que a utilização de dinheiro em papel seria considerada ilegal. Ao analisar as possibilidades de utilização do blockchain (“livro-contábil” em banco de dados distribuídos público) nos faz sentir personagens de um enredo cyberpunk de verdade.

As possibilidades de desintermediação são quase infinitas, ainda mais quando associadas à outras tecnologias emergentes do mercado digital, como internet das coisas, machine learning, inteligência artificial, realidade virtual e realidade aumentada, e há aplicabilidade tanto para soluções financeiras como não financeiras. Hoje  as mais diversas iniciativas globais com o objetivo de desburocratizar os sistemas, oferecer segurança, transparência e conexões diretas entre consumidores e fornecedores, população e governo, usuários e devices.

Em quase todas as transações financeiras ou de confiança, um terceiro é responsável por validar e intermediar o processo, como instituições financeiras, cartórios e autoridades certificadoras (no caso de certificados digitais), o blockchain substitui todas elas através da criptografia e assinaturas com histórico de transações, através de um “livro-contábil” público distribuído entre os nós da rede que validam a origem, o destino e a ordem em que as transações ocorreram por meio de hashs, timestamp e recursos computacionais utilizados no processo.

No primeiro relatório do World Ecomomic Fórum para a disrupção ou  4º revolução – Deep Shift – coloca o blockchain no centro dos 6 grandes tópicos das mudanças, com foco principal em economia compartilhada e confiança distribuída, e prevê que até 2027 o uso do blockchain seja massivo globalmente. De olho nesse mercado, e atento as mudanças, não só do modelo de negócio, mas da própria característica fundamental de sua existência (como a alavancagem do dinheiro, inflação e derivativos) os setenta maiores bancos do mundo formaram em 2014 o consórcio R3 Cev, com o objetivo de construir e capacitar a próxima geração de serviços financeiros como contratos inteligentes, confiança distribuída e investimento em startups de serviços financeiros. Mas esse não é o único mercado de olho no poder do blockchain. Há desde compartilhamento de arquivos, contratos inteligentes, transparência na governabilidade à emissão de cidadania utilizando hoje a tecnologia que promete revolucionar não só a nossa relação como consumidores, mas a nossa própria noção de comunidade global e divisões geopolíticas:

Bitnation é uma estrutura governamental baseado em blockchain – um país na internet -, capaz de oferecer serviços como cartórios, segurança baseados em análise de risco, monitoração gps, resposta à eventos de emergências, imagens de lugares inacessíveis ou inseguros via drone, proteção e assistência médica, serviços à refugiados em parceria com a ACNUR, ACNUDH e UNPO, educação, entre outros.

Slock é uma fechadura inteligente, que possibilita, por exemplo, o aluguel de um quarto de hotel ou casa consultando a disponibilidade do local direto no device, efetuar a reserva e a transferência de criptomoeda diretamente à fechadura. E esta pode, por exemplo, efetuar a avaliação da sua própria funcionalidade, abrir um chamado de conserto e dividir os lucros entre os proprietários através de contratos inteligentes.

O mesmo será possível com os carros autônomos.

Para ir  além das soluções futuristas existem milhões de possibilidades práticas que dão transparência e agilidade aos processos burocráticos atuais como serviços governamentais de identificação, registro de propriedade, registro de novas empresas, consulta à população, decisões judiciárias, prescrições médicas, votos, pagamentos de taxas e impostos, tudo via internet, com soluções blockchain, que hoje já estão disponíveis na Estônia, o e-Estônia.

Através de contratos inteligentes é possível executar automaticamente as cobranças e divisões de lucros das cláusulas de um contrato, atividade com grande aplicabilidade na indústria fonográfica e serviço de stream, por exemplo.

Da agenda do médico à carteira de motorista, do reconhecimento de assinatura ao fechamento de um contrato, do aluguel da casa à emissão de um passaporte, onde o blockchain pode revolucionar a sua vida hoje?

Mais informações em:

 https://www.weforum.org/reports/deep-shift-technology-tipping-points-and-societal-impact/

http://www.r3cev.com/

https://smartcontract.com/

Abraços,

Ana Paula

 

 

5 PASSOS PARA MONTAR STARTUP DE INOVAÇÃO NA SUA EMPRESA

Muito se fala de inovação através da internet das coisas (IOT), mobilidade, tecnologia e com tudo conectado.

Para você o que significa inovação?

Se buscarmos o significado do verbo INOVAR vamos encontrar algo parecido com: “introduzir novidade em; fazer algo como não era feito antes”

Um dos grandes desafios atuais é inovar utilizando todos os recursos do mundo digital e seus desdobramentos sem perder o controle do que entregamos ainda sob o prisma tradicional porque paga grande parte das nossas contas.

Por outro lado, o futuro do nosso negócio exige cada vez mais olhar adiante e isso significa fazer parte da revolução digital com todas as tecnologias tangíveis da internet das coisas, da velocidade de entrega, da mobilidade e do mundo dos apps.

Porém, imaginar que você pretende inovar sem correr riscos é utópico e a dúvida é o quanto buscar inovação dentro das organizações.

Para entender um pouco mais sobre estas transformações publiquei um artigo sobre o que é TI Bimodal e como criar este modelo da sua empresa (veja aqui o artigo).

Mas muito provavelmente você vai se deparar com novos desafios onde é necessário ir além de criar um modelo para a TI Bimodal. Desafios estes que exigem uma ruptura total ou parcial com os laços da administração tradicional. Neste cenário uma das técnicas é utilizar o modelo de startup dentro da sua empresa.

Para que isso aconteça você precisa garantir os recursos financeiros necessários ao projeto e ter apoio da alta gestão para em seguida criar a startup dentro da sua empresa.

Cito 5 passos principais para implantar o modelo:

  1. Definir os atores (ponto chave) e não deve ser mais do que 8 pessoas;
  2. Definir claramente o foco do que você deseja inovar (nunca perca o foco);
  3. Definir o prazo (jamais ultrapasse 3 meses);
  4. Ter regras claras na condução de cada brainstorming (lembre-se que é algo inovador e não mais uma reunião);
  5. Defina um modelo de gestão do projeto (ex: Canvas, Lean Startup).

Neste modelo a estratégia de imersão é fundamental, ou seja, todos os atores precisam estar engajados para cumprir o objetivo e o prazo estipulado. Na prática significa que no mínimo metade do tempo deles na empresa será para o projeto de inovação.

Criar startup dentro da empresa para resolver problemas, testar novos produtos ou mesmo criar um novo modelo de negócio tem seduzido empresas e universidades por todo o planeta, veja:

  • Em 2012 a Google anunciou o 1º protótipo de carro autônomo e assombrou as mídias com um deficiente visual sentado no assento do motorista com um computador dirigindo. Quatro anos depois veja o quanto já evoluímos com esta inovação? Estamos testando táxi sem motorista em Cingapura!
  • Santa Ana, Califórnia, a água é tratada para ser novamente potável e apesar das polêmicasestamos falando que 330 mil habitantes recebem água tratada e este mesmo projeto de micro purificação atende 600 mil lares e deixa de poluir o mar em cerca de 230 milhões de litros de água. O mundo fala de falta de água potável e temos uma solução em pleno funcionamento!
  • Nesta semana foi divulgado que é possível ler livros fechados. Albert Sanchez e seus colegas do MIT construíram um protótipo de “óculos de raios T” que permite ler livros fechados. Ainda é um protótipo, mas é capaz de ler um texto de até 20 páginas de “profundidade”. Imagine o potencial dessa tecnologia!

Estes 3 casos confirmam que a era do conhecimento é uma imersão nas possibilidades infinitas que o mundo digital nos proporciona e você tem a chance de escolher entre surfar esta nova onda ou sucumbir.

Técnicas como TI Bimodal e startup são caminhos que você tem para a grande transformação que está acontecendo em ritmo cada vez mais veloz e só depende de você disparar o processo de mudança de cultura na sua empresa através da inovação.

Até o próximo post,

Abraços,