4 maneiras de reduzir as filas dos consumidores com o uso da tecnologia

Acostumados a correr contra o tempo para resolver questões pessoais nos intervalos do trabalho ou nas horas de folga, os consumidores não toleram grandes esperas e são os primeiros a reclamar para amigos e parentes quando sentem que perderam tempo demais.

Uma pesquisa realizada pela McKinsey levantou quanto tempo um consumidor pode aguardar em uma fila sem dar sinais de insatisfação: até três minutos. Se a fila leva até sete minutos, ele considera a espera razoável e acima disto, ele se incomoda, sem contar que a insatisfação de um cliente propagada nas redes sociais pode externar os problemas da empresa, causando perdas à imagem e prejudicando as vendas.

Portanto é fundamental que as empresas despertem para a importância de investir em tecnologias para reduzir as filas.

Veja como fazer isso no seu PDV:

 

1. Quiosque de autosserviços

Embora os brasileiros não abram mão do contato humano, os quiosques de autosserviço são uma tendência por aqui. São inúmeras as facilidades propiciadas por eles, e a primeira delas é que representa a primeira opção para os clientes que não desejam aguardar nas filas.

Empresas de diversos segmentos já adotaram a solução em todo o mundo, inclusive no setor de alimentação. É o caso do McDonald’s, que em algumas lojas investiu em totens touch screen, permitindo todo o fluxo do pedido sem nenhuma interação humana. Empresas de diversos setores como financeiro, entretenimento, utilities e muitos outros já apostam nesse avanço. No varejo eles podem ser utilizados para as mais diversas funções e ambientes, permitindo que sua loja ofereça um canal de atendimento com alta disponibilidade e eficiência com baixos custos operacionais.

 

Imagem via meridianbooster

 

2. Checkout e pagamento no smartphone

Num futuro próximo, os consumidores poderão deixar cartões e dinheiro em casa e sair às compras somente com o celular nas mãos. Isso porque estamos vivendo um novo momento onde o celular – entre muitas outras funções – deverá atuar como um meio de pagamento simples, eficaz, seguro e bastante prático. Mesmo que ele esteja off-line, é possível realizar suas compras uma vez que a autenticação é feita no smartphone, por meio de senha ou impressão digital. A operação será finalizada ao aproximar o celular de um terminal habilitado com NFC.

 

Esta tendência já está sendo experimentada aos poucos nos Estados Unidos. Em 2014, chegou ao mercado o Apple Pay, seguido por seus concorrentes Samsung e Google. Apesar da evolução no mercado americano, a expansão do serviço ainda é pequena. De acordo com a consultoria eMarketer, em 2015,  23,2 milhões de pessoas movimentaram cerca de US$ 8,7 bilhões nos EUA por meio de pagamentos com smartphones – o que representa apenas 0,2% dos US$ 4,35 trilhões estimados em transações feitas em loja no mesmo período. O dado da eMarketer, porém, inclui pagamentos feitos via apps. Apesar disso, a consultoria estima que, até 2019, as transações neste país saltem para US$ 210,5 bilhões, com 70 milhões de usuários.

Isso é tão real que por aqui já é possível realizar o pagamento pelo smartphone em 19 restaurantes de São Paulo, graças à parceria entre empresas, uma operadora de cartão de crédito e o um aplicativo de restaurantes.

A transação ocorre dentro do aplicativo e segue o fluxo de uma operação normal com cartão, com a participação de credenciadores e emissores de cartão.

Uma grande vantagem nesta modalidade de pagamento é a segurança, uma vez que as transações são realizadas em um canal criptografado, de alta confiabilidade e disponibilidade, com autenticidade dos dados e total sigilo. O pagamento é recebido diretamente, sem intermediação de uma instituição financeira.

 

3. Gestão de indicadores

Este é um ponto importante, uma vez que permite conhecer em tempo real os gargalos de atendimento.

A obtenção dos indicadores no dia a dia com agilidade e acuracidade depende muito do modelo de dados implantado e das ferramentas utilizadas na captura das informações, processamento e geração dos indicadores.

 

4. Monitoramento de humor

Quer saber como está o sentimento dos clientes dentro da uma loja? As aplicações de Customer Experience Analytics permitem descobrir esta informação. A solução consiste em utilizar câmeras para monitorar e estudar o comportamento dos consumidores à circular pela loja. Com as informações em mãos, a loja pode melhorar a performance analisando as sessões locais mais frequentadas, reposicionando produtos com maior margem.

Um dos pontos interessantes desta solução é a possibilidade de medir o engajamento dos vendedores para com seus clientes e informar ao gerente, em tempo real, a necessidade de alocar mais funcionários naquela sessão, reduzindo filas.

O humor e o sentimento dos clientes ao ver uma vitrine e a respectiva taxa de conversão pode ainda identificar clientes incomodados numa fila, possibilitando que o gerente seja avisado e autorize a abertura de um novo caixa, acelerando o atendimento.

 

 

Como ter sucesso na integração dos diferentes canais de venda on e off-line

Como ter sucesso na integração dos diferentes canais de venda on e off-line

Uma das características do setor de varejo é a alta competividade e isso não é novidade. Porém, para vencer a guerra de preços, cada vez mais as marcas precisam focar na experiência do consumidor. E quando falamos desse assunto não dá para ignorar a importância do omnichannel (aproveite e leia sobre algumas tendências em omnichannel para 2018)

Promover a integração dos canais on e offline ainda é um grande desafio para os gestores, especialmente para os profissionais de TI. Como ajustar o sistema para que a mesma promoção da loja física seja replicada na online, por exemplo? O consumidor não está interessado em saber se são operações distintas. Afinal, o que importa para ele é a marca. Se ele não conseguir satisfazer sua necessidade, certamente, vai para a concorrência.

 

Principais desafios para a integração on e off-line

Uma das principais dificuldades é a mudança de cultura dos tomadores de decisão, que ainda encaram com ressalvas as dificuldades para integrar os canais. Ainda há muitas dúvidas sobre quais investimentos são prioritários, uma vez que o budget está reduzido e é necessário fazer mais com menos.

A verdade é que o varejo nasceu multicanal e não omnichannel, e isso vem colocando limitações na operação integrada. É comum observarmos grandes operações de e-commerce trabalhando totalmente segregadas do físico: um pedido da loja física e outro do online não se falam.

Estratégias para integração on e offline

Hoje, fala-se muito sobre as estratégias de varejo para integrar as lojas online e offline. Essa não é uma tarefa fácil, mas, de acordo com os novos hábitos dos consumidores, é fundamental para a sobrevivência no mercado.

Quer saber como é possível ter sucesso em sua estratégia? Listamos algumas tendências aqui:

 

1. Simplificação do processo de entrega

Com os passos largos dados pelo varejo para atender as necessidades do consumidor 4.0, uma das principais necessidades é simplificar o processo de entrega e reduzir os custos. Algumas empresas já apostam no modelo <destaque>Click and Collect, ou pick up in a store</destaque>, modalidade em que o consumidor adquire o produto na loja online e retira na loja, em um prazo muito menor do que se dependesse do envio de transportadoras ou correios.

Esta é uma tendência importante para o setor. Para se ter uma ideia, as vendas dos supermercados na modalidade online nos Estados Unidos continuam crescendo e devem encerrar 2017 movimentando US$ 24 bilhões – em 2016 essas vendas representaram U$ 17 bilhões de dólares. Esse boom é atribuído ao aumento das opções de Click and Collect entre varejistas como Kroger e Walmart, o que mostra uma nítida mudança no comportamento de consumo.

Além de evitar o custo de frete, o Click and Collect permite que o cliente tenha o produto adquirido em mãos com muito mais agilidade.

 

2. Utilização do estoque físico para atender demandas online

O conceito é chamado de ship from store, processo de atendimento que transforma a loja física em um ponto de distribuição utilizando o estoque local para atender pedidos online. Funciona da seguinte maneira: o cliente faz um pedido online, que é processado e direcionado ao centro de distribuição. Assim, o cliente pode optar por receber em casa ou buscar o produto em uma loja mais próxima a ele.

A grande vantagem deste modelo é que com ele se aumenta o aproveitamento das lojas físicas e é possível potencializar a presença da marca em determinada região.

Entre os principais benefícios do ship from store, está o crescimento da receita final, já que há maior movimentação de pedidos, além do aprimoramento na prestação de serviço, uma vez que as lojas são usadas como ponto de distribuição, colocando o produto mais próximo do seu cliente.

Redução de custos de transporte, minimização de riscos, redução da inadimplência e menor desperdício são mais algumas vantagens do ship from store. Associadas a um aumento significativo de estudos de caso bem-sucedidos, elas mostram que o conceito é importante para uma estratégia omnichannel e uma tendência para o mundo do varejo.

A Centauro está entre esses cases, que implantou um sistema que permite enxergar, em todos os canais da marca, todos os pedidos. Os estoques de todos os canais estão integrados e o algoritmo calcula qual canal é mais adequado para atender ao pedido do consumidor de forma mais rápida e menos custosa.

 

3. Colocar o cliente no centro da operação

Como alavancar a operação para suportar o volume e prover a melhor experiência de compra para o consumidor?

Esta é uma equação difícil de resolver, que consiste em traçar uma estratégia de construção de experiência onde aquilo que o cliente espera que seja entregue precisa ser considerado em primeiro lugar.

No UOL DIVEO, por exemplo, usamos nosso núcleo de inovação para aplicar tecnologias inovadoras e resolver estes desafios de forma completamente nova. Mas o sucesso das iniciativas não está somente na tecnologia, mas justamente em colocar o cliente no centro do problema.

Para isso, é fundamental ser assertivo nas buscas, ter tecnologia adequada para customizar o atendimento aos clientes e garantir velocidade na entrega. Outro ponto fundamental é atuar com precisão ao fornecer informações aos consumidores. Ser excelente no atendimento também faz toda diferença, por isso vale a pena investir em atendimento humanizado onde a marca tenha envolvimento com o consumidor e fale na linguagem dele.

 

Saiba como encarar o desafio de reter o cliente na sua loja

Saiba como encarar o desafio de reter o cliente na sua loja

O varejo enfrenta dificuldades em todo mundo, especialmente em setores como alimentos, moda, móveis e decoração. Para sobreviver e lucrar, as marcas precisam se reinventar a todo instante e atender as necessidades do shopper, cada vez mais ávido por informação.

Um dos principais desafios é elevar e promover a experiência de compra e logística que todos os clientes esperam. Para isso, é preciso prover informações online atualizadas e garantir que sua infraestrutura de logística e de cadeia de suprimentos estejam operando com máxima eficiência, além de investir no treinamento da equipe.

Segundo previsão do Gartner, pelo menos 50% dos investimentos nos próximos anos serão dedicados à experiência do consumidor, o que significa que traçar uma estratégia para retenção de seus clientes é mandatório. Diante da alta competitividade, é fundamental analisar o comportamento de consumo e o perfil dos compradores continuamente.

Outro ponto fundamental é avaliar a adequação do produto consumido versus o perfil do cliente e atuar de maneira ativa e transparente para melhorar a adequação dos produtos, seja para diminuir quando necessário ou realizar ações para aumentar (rentabilizar) se for o caso.

A tecnologia possui papel essencial neste cenário e deve ser aplicada para transformar a experiência do consumidor

 

Confira seis dicas para reter o cliente dentro da loja em tempos de alta competitividade:

1. Gere experiências de valor

Gere-experiências-de-valor-no-checkout

O varejo do futuro precisa pensar sobre como oferecer experiências realmente relevantes para o consumidor. Mas vale lembrar que experiência não significa ter uma loja high tech e tecnologia de ponta, mas sim garantir que a visita de seu cliente ao PDV seja completamente agradável e satisfatória. Lembre-se que a experiência começa desde o momento em que o cliente busca na internet por um determinado serviço/produto e encontra o website ou e-commerce da sua marca. Da mesma maneira, quando ele vai até o ponto de venda, é fundamental que ele encontre um processo de checkout fácil e simples, com filas pequenas e rápidas.

Para exemplificar, um restaurante de fondue na China estruturou uma série de ações para os clientes, como manicure para as mulheres na fila de espera, um urso de pelúcia gigante para acompanhar clientes que estavam sozinhos e até remédios para os visitantes doentes. Tudo isso diz muito sobre a intenção do estabelecimento em oferecer algo especial para os clientes que se deslocaram até lá.

Reconhecer a experiência do cliente não é se basear individualmente apenas nos contatos feitos nos momentos críticos da relação. A experiência é o impacto cumulativo de toda a jornada do cliente.

 

2. Invista nas tecnologias consideradas pilares de inovação

São elas a Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Big Data e Machine Learning. Aqui, estamos falando sobre ver o consumidor experimentando o seu produto de formas diferentes, como se estivesse em uma loja. Por exemplo, no Brasil, existem construtoras que oferecem essa experiência: a incorporadora e construtora Rossi entrou para o Guinness World Records por ter criado o maior marcador de realidade aumentada do mundo. Ela projetou em tamanho real um modelo tridimensional de um prédio comercial, em Vitória (ES). São diferenciais que atraem qualquer consumidor.

O relatório da PWC levantou que os executivos do varejo consideram como o maior desafio enfrentado pelas empresas a criação de valor com base no grande volume de informações existentes sobre os consumidores. Realmente, existem enormes lacunas nestas empresas entre os dados que elas conseguem gerar na gestão da operação e do relacionamento com os clientes e a capacidade de explorar insights a partir deles.

Esse problema envolve indicadores que vão da frequência de visitas de clientes nos canais e do volume de estoque nas lojas até o tempo que os consumidores passam nos sites de varejo. Tais lacunas refletem uma falha na estratégia omnichannel, uma vez que as empresas olham apenas para o canal digital sem levar em conta a necessidade de gerenciar o banco de dados no ambiente físico para entender bem as necessidades dos consumidores e as iniciativas a eles relacionadas.

Para sanar este tipo de problema, faça das novas tecnologias sua aliada e encontre maneiras de gerenciar seus dados e utilizá-los em seu favor e em prol dos clientes.

 

3. Personalize sua oferta

Este é um tema antigo, porém o dilema é que muitas empresas ainda não descobriram uma forma de fazer a personalização em massa e conseguir entregar algo que realmente é único para cada consumidor.

É preciso encarar este desafio de frente. Há poucos casos de sucesso no mercado com foco em personalização de produtos e serviços e esta pode ser a grande oportunidade para reter os clientes. Trabalhe em busca do direcionamento de ofertas e tente antecipar tendências e gostos dos consumidores para personalizar o que de fato estou oferecendo. O grande desafio é equalizar a relação custo e benefício.

 

4. Recompense a lealdade de seus clientes

Recompense-a-lealdade-de-seus-clientes

Programas de fidelidade são atraentes desde que ofereçam benefícios para manter os clientes. Além das recompensas tradicionais como vale-créditos, pense em recompensas exclusivas, que proporcione experiências diferenciadas. Por exemplo, um evento exclusivo ou um convite irrecusável para alguma atividade.

Mas atenção: a meta aqui consiste em identificar entre os fidelizados quais são os consumidores estratégicos para a sua empresa, aqueles que dão mais retorno para o seu negócio. Quando conhecer esse consumidor, você saberá como realizar ações assertivas, oferecendo promoções exclusivas, experiências únicas e atendimento diferenciado. Isso é tudo que um consumidor deseja, e a fidelização será uma consequência.

 

5. Ofereça produtos exclusivos e edições limitadas

Marcas próprias e com grande apelo podem transformar o varejista em um destino de compras e evitar que ele seja copiado ou ameaçado em termos de preço pelos concorrentes.

 

6. Seja excelente em suporte e relacionamento

Os clientes exigem um bom canal de relacionamento. É importante oferecer todo o suporte necessário para qualquer eventualidade e que seja ágil na resolução de problemas.

Para acompanhar a revolução do empoderamento das gerações Y e Z, as organizações precisam explorar o máximo da tecnologia para oferecer uma experiência personalizada. As empresas podem contar com soluções de Analytics, Big Data, Inteligência Artificial, Machine Learning e APIs. Ao permitir que tudo esteja conectado, nos deparamos com uma revolução jamais experimentada pelas gerações anteriores.

Esteja sempre atento às oportunidades de oferecer a melhor experiência para seus clientes e mãos à obra. Você encontra mais informações sobre as tendências em tecnologia para o varejo no próximo post, sobre os quiosques de auto serviço para pick-up-in-store.

 

 

Omnichannel 2018: 4 tendências para priorizar

Omnichannel 2018: 4 tendências para priorizar

Com a retomada do crescimento da economia, muitos varejistas estão colocando de volta à mesa projetos que estavam parados desde 2015, no auge da crise.

O crescimento esperado traz consigo a necessidade de investimentos em novas tecnologias no setor. De acordo com o levantamento Worldwide Retail 2018 Predictions (Previsões para o Varejo em 2018) realizado pela IDC (Internacional Data Corporation), a construção de novas plataformas adaptáveis e o uso do omnichannel estão entre as prioridades dos gestores de TI deste segmento.

Além disso, experiências envolvendo Inteligência Artificial (AI), realidade aumentada, conectividade e aplicativos baseados em microsserviços também são tecnologias que estarão presentes no varejo e que até 2021 terão sido adotadas no comércio e serviços.

Segundo a IDC, até 2019, 50% dos varejistas terão adotado uma plataforma omnichannel, que permitirá um aumento de até 30% na rentabilidade do multicanal.

 

Confira as principais estratégias omnichannel consideradas tendências para o próximo ano:

1) Assistentes digitais

Esqueça a cadeia de valor tradicional; Linear. As empresas devem se organizar cada vez mais como redes em torno dos clientes, oferecendo vários canais e interfaces voltados à geração de valor. No fim, o cliente estará cada vez mais no controle.

Segundo o Total Retail 2017, tradicional estudo desenvolvido pela PWC, cerca de 88% dos brasileiros avaliaram que a questão mais importante do atendimento recebido na loja física é poder contar com vendedores que conhecem profundamente os produtos oferecidos. Porém, somente 56% dos brasileiros estão satisfeitos com o atendimento recebido.

A insatisfação do consumidor abre caminho para as assistentes digitais. De acordo com a IDC, em 2021, 10% das vendas serão criadas e gerenciadas por meio de assistentes digitais habilitados para voz.

Neste caso, a assistente ‘recepciona’ seus clientes quando chegam ao e-commerce para entender o que eles buscam através de perguntas e respostas.

Com isto, apresentam ofertas para o tipo de necessidade e preferências do consumidor e conduzir o contato com o cliente até efetiva compra compra do produto ou serviço.

Muito semelhante ao papel do vendedor em uma loja física e com um diferencial de ter acesso a bases de dados da empresa durante o atendimento para levantamento de informações e um atendimento, às vezes, até mais personalizado.

 

2) Beacons e comportamento do consumidor

É a hora e a vez dos beacons! Essa tecnologia de rastreamento inteligente que permite monitorar os consumidores de forma não invasiva, para que se entenda melhor seu comportamento de compra dentro da loja física é tendência em todo o mundo e deverá estar cada vez mais presente no Brasil.

Pelo lado do cliente, entrar em um estabelecimento e receber promoções personalizadas, Informações de acordo com os seus interesses e microlocalização potencializam ainda mais o uso e a quantidade de informações captadas.

Mas há um detalhe ainda menosprezado: muitas vezes o consumidor inicia suas pesquisas na Internet e relacionar o comportamento na loja virtual com a loja física pode transformar o entendimento do cliente e levar a fidelidade e share of wallet a outro nível.

 

3) Compre em qualquer lugar e retire onde quiser

Integrar o atendimento de todos os canais da marca não é fácil. Mas é isso que o consumidor busca cada vez mais.

Já há alguns anos, grandes redes norte-americanas como Best Buy, Sears, Walmart, Macy’s e Container Store estão fazendo de suas lojas físicas locais para retirada de produtos comprados online. Aqui no Brasil, esta iniciativa é uma tendência já adotada por grandes varejistas, como Decathlon, Centauro, Carrefour, entre outros. Esta opção é ideal para os artigos maiores, que não podem ser incluídos nas promoções de frete gratuito. Ou ainda para os clientes que estão com pressa e não desejam esperar vários dias pelo frete.

Além de reduzir os índices de abandono do carrinho por causa do valor alto do frete, oferecer a opção de retirar os produtos na loja física aumenta a satisfação dos clientes do site, que encontram mais alternativas às suas necessidades de tempo para recebimento do produto. De acordo com uma pesquisa do Euro IT Group, consumidores que acessam mais de um canal de compra gastam três vezes mais do que um cliente comum. Isso significa que oferecer mais opções é fundamental para incrementar as vendas.

 

4) Hiper-personalização da compra

O estilo de vida móvel típico do consumidor 4.0 está aumentando as compras e os pagamentos móveis. As empresas já perceberam que os clientes estão em busca de opções novas de fazer compras com praticidade e agilidade, em todos os segmentos – de vestuário a alimentação.

Muitas iniciativas já podem ser observadas para hiper-personalizar as experiências de compra no mercado brasileiro, por meio de aplicativos com promoções especiais baseadas em histórico de pesquisas e de compras na loja.

É o caso dos beacons, pequenos dispositivos que utilizam tecnologia bluetooth e dados detalhados do cliente para enviar mensagens de marketing relevantes aos telefones dos consumidores, enquanto fazem compras. Já as tags eletrônicas são instaladas em prateleiras ou produtos, fazendo uso dos mesmos dados e ficam iluminadas para chamar a atenção para os itens que provavelmente despertariam o interesse dos consumidores.

São ações interessantes que estão sendo pensadas para atrair e surpreender de forma positiva o novo consumidor, que espera uma experiência cada vez mais personalizada e exclusiva.

 

Está pronto para refinar sua estratégia de omnichannel?

 

 

uoldiveo_7-problemas-que-podem-colocar-em-risco-as-vendas-no-varejo

7 problemas que podem colocar em risco as vendas no varejo

 

Realizar um pagamento via aplicativo, fazer check-in antes do voo, comprar ingressos para o cinema ou pedir um táxi…Todas essas experiências digitais já estão incorporadas no cotidiano do shopper. Afinal de contas, vivemos a era digital e estamos habituados a resolver pendências da forma que nos é mais conveniente, seja ela física ou online.

E o que tudo isso representa para o varejo?

Mais do que pensar em vender, o varejista que quer se diferenciar deve estar atento na experiência que está proporcionando ao consumidor em sua loja.

O estudo Total Retail, divulgado pela PwC, mostra que os compradores buscam por uma experiência exclusiva quando vão fazer compras. Ambiente adequado, climatização e decoração, por exemplo, podem sim influenciar uma decisão.

Sem falar que a jornada do consumidor até adquirir um produto começa antes mesmo de entrar na loja:

  • 63% dos brasileiros aumentaram a frequência de buscas na internet para encontrar as melhores ofertas
  • 46% passou a ir às lojas físicas mais vezes para encontrar melhores oportunidades

Para promover a excelência na experiência de compra, os varejistas precisam prover informações online atualizadas, garantir que sua estrutura logística e de cadeia de suprimentos esteja operando com máxima eficiência e investir em treinamento, entre tantos outros desafios.

 

Mantendo clientes e sua reputação

Assim como as lojas físicas, os comércios online precisam se aprimorar e encontrar maneiras de satisfazer os novos consumidores, que interagem o tempo inteiro e esperam das empresas uma relação de respeito e transparência. Com a chegada da geração Millennial, formada por pessoas nascidas após 1980, surgiu um novo perfil de consumidor que sabe que está no comando e é cada vez mais exigente.

Para atender as expectativas desse consumidor, é fundamental seguir o verdadeiro conceito de jornada do cliente, cujo percurso precisa ser desenhado sob o ponto de vista do cliente e não da empresa. Quem quer, de fato, promover uma experiência diferenciada para o cliente precisa necessariamente humanizar o atendimento.

Por isso, listamos aqui as experiências que podem acabar colocando a perder o sucesso de seu e-commerce e também da sua loja física. Veja como você pode correr literalmente atrás do prejuízo, e reverter resultados ruins.

 

1. Filas

O sucesso de uma experiência de compra consiste basicamente em obter, de forma rápida e prática, o item desejado. As filas não fazem parte dos planos dos consumidores e representam uma péssima experiência e geram insatisfação, tanto para o cliente quanto para a empresa.

O tempo máximo de tolerância para quem enfrenta uma fila no varejo é de cinco minutos, portanto se você não possui uma solução para isso, certamente isso irá influenciar suas vendas.

Uma saída para solucionar esse obstáculo são as soluções de cashless, que consiste em ferramentas e tecnologias para permitir o pagamento pelo celular ou pulseira. A máquina realiza a leitura automática dos dados e pode ser integrada ao seu sistema financeiro. Existe ainda a possibilidade de transferência via aplicativos de smartphone. Ao reduzir o uso de dinheiro de papel ou cartões de crédito e débito, o pagamento fica mais ágil e a própria experiência de compra é melhorada.

Além disso, hoje já é possível realizar o monitoramento das filas usando vídeo monitoramento e inteligência artificial para reduzir o tempo de atendimento com menor impacto nos custos.

2. Ruptura de estoque

Conhecer a capacidade de venda da empresa e a quantidade de produtos disponíveis, controlando os níveis de estoque, é fundamental para qualquer empresa que trabalhe com comércio.

A ruptura mensal no varejo brasileiro é uma questão tão complexa que a Nielsen decidiu criar um índice para medi-la. Realizada mensalmente com consumidores de milhares de lojas espalhadas por todo o Brasil, a média de seu resultado é chocante: 10%. Resumindo, a cada 100 produtos que seu cliente procura na sua loja, ele deve deixar de comprar 10 por conta de indisponibilidade do item.

Os números incomodam, certo? Mais grave é saber que isso acontece em itens com maior margem, pois a ruptura ocorre com menor frequência em itens de cesta básica e curva A, tradicionalmente com margens menores.

A ruptura de estoque pode ocorrer por controle inadequado ou pela necessidade de realizar a previsão de demanda de forma mais assertiva. Uma alternativa para cuidar desses dois pontos importantes é utilizar o machine learning para aprimorar seu poder de gestão sobre as demandas.

Existem outras tecnologias que podem apoiar você a vencer este problema como os VMI (Estoque Gerenciado pelo Fornecedor), sistemas de auditoria de estoques virtuais e visibilidade de produtos em gôndola, mas cada vez mais sistemas inteligentes, capazes de aprender com as movimentações do estoque e que permitem maior acurácia no controle de mercadorias tem transformado o varejo. Todas estas propostas trazem agilidade na hora de solicitar novas compras junto aos fornecedores.

3. Custo do frete

O valor do frete é um dos principais motivos de abandono de compras pela internet, segundo especialistas.

Aumento de impostos, restrições, multas e a burocracia em geral, principalmente nas grandes regiões metropolitanas do país são problemas que afetam diretamente as empresas que trabalham com frete.

Na Cidade de São Paulo, por exemplo, caminhões de médio e grande porte são proibidos de circular no centro expandido durante o dia. Obviamente, o transporte de produtos e cargas em maior escala é comprometido. Além disso, existem custos com mão-de-obra especializada, sem falar do aumento constante do preço dos combustíveis.

Existem algumas práticas comuns de mercado que ajudam a reduzir o custo com frete, como por exemplo promoções direcionadas a regiões onde há maior concentração de clientes, estabelecer um valor ou quantidade mínima de peças e trabalhar com mais de uma transportadora, já que cada uma tem a sua especialidade de entrega: produtos leves, pesados ou categoria específica e isso pode baratear custos.

Um outro caminho é o investimento em tecnologia para otimizar custos de logística, usando inclusive inteligência artificial para realizar a roteirização de entrega inteligente e identificação de oportunidades de redução de custos.

4. Logística reversa (devolução)

A devolução de produtos é inevitável, muitas vezes. A maioria dos varejistas encaram-na como sinônimo de prejuízo, afinal, em curto prazo, ela pode gerar custos extras, como despesas de logística reversa e de reembolso ou reposição do item que foi vendido.

Porém, ela representa uma grande oportunidade para as organizações entregarem uma boa experiência aos clientes e inclusive aumentar as vendas em lojas físicas. São pequenas atitudes que o varejista pode adotar para transmitir uma imagem positiva para o mercado e agregar mais valor ao seu negócio.

Uma sugestão é ampliar o prazo de troca, que pode ser estendido em períodos sazonais, como Natal, Dia das Mães, etc. Outra estratégia que tem surgido com maior frequência é entregar o produto novo ao mesmo tempo que o antigo é retirado, agilizando o processo de troca e otimizando custos de logística.

Quando devolução ocorreu apenas por arrependimento, o artigo pode ser reembalado e colocado à venda novamente. Porém, em caso de defeito, ele pode ser descartado ou devolvido ao fornecedor para que as devidas providências de troca sejam tomadas. Daí a importância de manter o controle dos itens que são recusados, assim é possível analisar se há devolução frequente de algo específico e repensar sua estratégia para esse produto, por exemplo.

5. Ausência no recebimento

Este é um dos maiores entraves para a entrega dos produtos ao consumidor: o cliente não está no endereço informado para receber a entrega ou o porteiro do prédio não está autorizado a armazenar itens em sua cabine. Existe ainda a possibilidade inconsistência dos dados e, por isso, não é possível entrega a mercadoria.

Além de oferecer a entrega agendada por turno, é possível simplificar o processo de entrega e reduzir os custos. Algumas empresas já apostam no modelo Click and Collect, ou pick up in a store, modalidade em que o consumidor adquire o produto na loja online e retira na loja física, em um prazo muito menor do que se dependesse do envio de transportadoras ou correios.

Esta medida evita dores de cabeça relacionadas ao destinatário não encontrado e ainda faz com que aumente o movimento nas lojas físicas.

Esta é uma tendência importante para o setor. Para se ter uma ideia, as vendas dos supermercados no online nos Estados Unidos continuam crescendo e devem encerrar 2017 movimentando US$ 24 bilhões – em 2016 essas vendas representaram U$ 17 bilhões de dólares. Esse boom é atribuído ao aumento das opções de Click and Collect entre varejistas como Kroger e Walmart, o que mostra uma nítida mudança no comportamento de consumo.

6. Segurança – roubos e fraudes

Com as constantes evoluções do e-commerce, diversos criminosos em todo mundo desenvolvem diferentes técnicas de fraudes. Esse problema tem sido apontado como um dos principais fatores para o fechamento das lojas online no país.

Inevitavelmente, quanto mais fácil se torna para o consumidor pagar, maior o risco de ações de fraudadores. Ao reduzir o número de etapas no processo de pagamento, menos dados de verificação de autenticidade da compra são coletados e se torna cada vez mais difícil identificar e impedir fraudes. E os fraudadores estão ficando mais sofisticados, deixando de gastar tempo com múltiplas tentativas de pequena escala e concentrando-se em lançar ataques súbitos de grande escala.

Neste tipo de situação, o consumidor se sente totalmente invadido e sem poder de ação. É possível sentir essa atmosfera no contato telefônico ou até mesmo por e-mail quando ele procura a empresa responsável pela venda. O momento expõe um misto de sentimento de revolta e impotência ao mesmo tempo.

Já nas lojas físicas, uma solução que vem sendo considerada tendência é o videomonitoramento inteligente, no qual é possível o próprio sistema identificar comportamentos fora do padrão e alertar as equipes de segurança. Avanços em qualidade de imagem e uso de inteligência artificial em nuvem têm aberto o caminho para isso.

7. Suporte e relacionamento

Imprevistos podem – e vão – acontecer. Por isso, o cliente exige um bom canal de relacionamento. É importante oferecer todo o suporte necessário para qualquer eventualidade e que seja ágil na resolução de problemas.

Para acompanhar a revolução do empoderamento das gerações Y e Z, as organizações precisam explorar o máximo da tecnologia para oferecer uma experiência personalizada. As empresas podem contar com soluções de Analytics, Big Data, Inteligência Artificial, Machine Learning e APIs. Ao permitir que tudo esteja conectado, nos deparamos com uma revolução jamais experimentada pelas gerações anteriores.

Se você está à frente de um grande desafio e pretende elevar a experiência de seus clientes a patamares diferenciados, fique atento às mudanças de comportamento dos consumidores e faça da tecnologia sua grande aliada.   

 

Criatividade empírica: como ela influencia os resultados da sua empresa?

Criatividade empírica: como ela influencia os resultados da sua empresa?

Quantas vezes você se sentiu motivado por uma ideia inovadora e apostou de olhos fechados, sem fazer uma análise minuciosa de como e do quanto sua ideia traria de retorno para sua companhia? Quantas vezes você foi tomado pela empolgação e considerou uma iniciativa viável, mas depois percebeu que ela não fazia sentido por não ser aderente ao trabalho das pessoas às quais se destinava?

Essa é uma situação bastante comum dentro das empresas, que no afã de criar novos produtos e serviços, pulam etapas importantes no processo de inovação. E muitas delas não conseguem nem mesmo perceber quando é hora de parar / corrigir / substituir / desistir.

 

Criatividade empírica no processo de inovação

Criatividade empírica é apostar em iniciativas com base em evidências, não simplesmente na loucura ou no sonho. Assim definiu Jim Collins, especialista em gestão de empresas, liderança e sustentabilidade empresarial.

Para ter sucesso, é preciso descobrir meios para validar instintos criativos com base em experiências. É possível fazer isso com experimentos práticos e tomada de decisões com base em provas, não apenas considerando opiniões ou suposições.

Ser mais empírico significa unir a criatividade e simultaneamente conduzir experimentos práticos, envolvendo-se com as evidências. Dessa forma, é possível realizar movimentos ousados, criativos e minimizar riscos.

Segundo o guru, uma ideia de negócio que pratique a criatividade empírica tem chances maiores de dar certo.

 

Quando usar a bala de canhão

A inovação deve ser tratada como um processo constante de experimentação, inclusive suscetível a erros – que devem ser utilizados como componente de estudo para correções de rotas. Desta forma, é possível observar resultados e a partir disso, tomar decisões.

Uma dica é sempre disparar tiros de baixo calibre antes de uma bala de canhão. Muitas empresas que não experimentam disparam balas de canhão completamente descalibradas e falham em suas empreitadas. Pior ainda quando este é o único recurso que se tem naquele momento. Ou seja, é prejuízo na certa!

Por isso, o melhor caminho é utilizar a experimentação para ver os resultados e a partir deles. Quando você acertar o tiro menor e se sentir preparado, sua empresa poderá lançar aquele produto ou serviço e até mesmo fazer uma transformação, com base nas suas experiências.

 

A melhor amiga da criatividade empírica

As empresas que se destacam quando o assunto é inovação combinam duas características fundamentais: criatividade empírica e disciplina.

Segundo Collins, os líderes que mais têm resultados não são aqueles que correm mais riscos, ou que se mostram mais visionários ou com mais criatividade. Eles são, na verdade, os mais disciplinados, porém empíricos no modo de fazer as coisas.

Vale lembrar que disciplina não tem nada a ver com burocracia, e também não deve ser confundida com conformidade. A verdadeira disciplina é resultado da clareza de propósitos e de ter certeza do que é importante e de que nada vai nos tirar do caminho.

Resumindo, para que seu processo de inovação seja bem-sucedido, esteja atento ao princípio de criatividade empírica: valide seus instintos criativos, tome decisões com base em provas e teste possibilidades. Com isso em mente, tenha certeza que sua ideia tem tudo para dar certo.

 

Por que experimentar é tão importante em projetos complexos?

Por que experimentar é tão importante em projetos complexos?

O projeto é grande, envolve muitos colaboradores e exige resultados rápidos e assertivos. Porém, no meio do caminho, surgem uma série de percalços: informações desalinhadas, prazos postergados e outras dificuldades. Tudo foi ocasionado por algum erro, certo? E o que fazer para aprender com ele?

Qualquer aprendizagem é resultado de uma experiência e cada ser humano constrói seu próprio conhecimento – já dizia o psicólogo e filósofo suíço Jean Piaget. Neste processo, o experimento e o erro são componentes de fundamental importância.

 

Experimento e inovação caminhando de mãos dadas

Todo processo de inovação necessariamente demanda experimentação e validação de novas possibilidades. Está relacionado ao estudo da viabilidade deste experimento, verificando-se na prática se aquilo que se mostrava uma ideia inovadora e interessante se traduz em resultados.

Uma ideia fantástica em tese pode não ter tanto potencial para se materializar por conta de fatores diversos, como por exemplo, dificuldades técnicas e culturais das pessoas que pensaram aquela ação ou até mesmo dos seus destinatários. Sua prática é importante para que, a partir de estudos e análises, seja possível obter uma amostra da sua viabilidade dentro do negócio, e assim identificar se ela é aderente e relevante para a companhia. Por isso, dentro da área de inovação, o ideal não é pensar em projetos, mas sim em experimentos.

 

O erro como componente importante do aprendizado

Piaget disse também que as crianças estão constantemente testando suas teorias próprias sobre o mundo. Ao tomar uma ação errada, a criança precisa saber que errou e porque aquilo é considerado erro. Assim, as informações dotadas de sentido serão internalizadas e os erros não voltarão a se repetir, pois afinal, ocorreu um aprendizado.

As empresas também necessitam testar suas próprias teorias sobre o mercado em que atuam, sobretudo em tempos de transformação digital onde todos atuam em busca de inovação. É importante que sejamos capazes de captar rapidamente uma decisão equivocada, e não há problema nenhum em voltar atrás e deixar de lado o trabalho realizado até ali. Esta é uma etapa da experimentação, que certamente levará ao sucesso com correções de rota realizadas no tempo certo.

 

A necessidade da autocrítica dos conceitos

O processo de inovação é composto por diversos passos, estudos e análises – com a finalidade de identificar necessidades sobre como e onde é necessário inovar. Portanto, a inovação acaba por se tornar o resultado de um trabalho elaborado, não proveniente apenas de pura inspiração.

Por isso, as empresas precisam levar em consideração que é fundamental fazer uma autocrítica de cada conceito, e não insistir indefinidamente em uma ação supostamente inovadora. Toda iniciativa necessita de consistência e, muitas vezes, a vaidade ou os objetivos focados em causas próprias podem levar gestores e tomadores de decisão a terem dificuldades em desapegar de conceitos que não correspondem a resultados mensuráveis.

 

Mudar para que se vença as dificuldades

Inovação é um processo evolutivo.

Consta que Thomas Edison, após ter sido intimado pelo seu patrocinador a interromper uma de suas experiências disse: “por que desistir agora, se já sabemos muitos modos de como não fazer uma lâmpada? Estamos hoje mais próximos de saber como fazer uma lâmpada que antes!” Sim, errar é a possibilidade de acertar na próxima tentativa.

Diríamos que o erro bom é aquele que nos abre alternativas. Seja capaz de dar um passo para trás, mirar na direção certa para, em seguida, dar dois passos para frente.

Esse processo é contínuo e também necessita de persistência. É preciso haver uma zona de equilíbrio, pois desistir na primeira dificuldade não significa tirar proveito dos seus erros. Por isso, a dica é estar sempre atento aos resultados gerados pela sua ideia, e como eles se encaixam dentro da companhia. Eles estão aderentes às necessidades do negócio? Possuem aceitação dos colaboradores ou clientes aos quais se destinam? Estão dentro do budget proposto? Seus resultados caminham para justificar a ideia? Analise e siga em frente, errando ou não. Afinal, é errando que se inova.

 

8 lições de Jim Collins

8 lições de Jim Collins para inovar nos negócios

“A inovação tem um papel significativo no desempenho das empresas, mas não da maneira esperada. Quem tem mais patentes não é necessariamente o mais bem-sucedido”.

 

Esta frase de Jim Collins, um dos maiores especialistas do mundo em gestão de empresas, liderança e sustentabilidade empresarial, coloca em questão a forma como as empresas lidam com a inovação. Segundo o guru, as melhores empresas têm a capacidade de dar escala a novos produtos, fazer os melhores ajustes e transformar uma pequena inovação num grande negócio.

Ao longo do caminho, ele escreveu seis bestsellers que, juntos, venderam mais de 10 milhões de cópias e foram traduzidos para 35 idiomas. Entre eles, estão títulos já considerados clássicos de negócios, como Empresas feitas para vencer, Feitas para durar e Como as gigantes caem.

Quando era professor da Stanford Graduate School of Business, a escola de negócios da Stanford University, Collins começou a se interessar pelo que estava por trás das melhores companhias do mundo: por que algumas prosperavam e outras não?

Tudo passa pela criatividade, que é algo natural e abundante. Porém, há um ponto fundamental que determina aquelas que sairão vencedoras: a disciplina. O grande desafio é fazer casar a disciplina e a criatividade, para que a disciplina não acabe por minar a criatividade. Em empresas excelentes, a questão não está apenas na inovação, mas na forma de inovar.

Para uma empresa ser bem-sucedida ao inovar, é preciso realizar tentativas suficientes, fazer ajustes ao longo do desenvolvimento da inovação e ter assertividade e foco no objetivo.

 

As lições de Jim Collins

1. “Não são as circunstâncias que causam resultados – são as pessoas”

Este é um dos aspectos mais claros da pesquisa de Collins: as circunstâncias são apenas o palco em que uma empresa está atuando. Elas representam o jeito que suas equipes trabalham – seus valores, suas escolhas, a qualidade de sua execução e a habilidade de não perder seus objetivos de vista em tempos bons ou ruins.

 

2. “A inovação por si só não é o segredo da vantagem competitiva, mas sim a capacidade de mesclar disciplina com inovação”

Enquanto a criatividade é um traço humano natural, a disciplina é aprendida. Empresas que têm sucesso nos negócios unem os dois fatores para obter resultados produtivos e escaláveis. Em outras palavras, não basta apenas inovar. É preciso ter uma forma de inovar para criar coisas novas sem perder o foco.

Uma companhia que consegue atingir esse equilíbrio é aquela que testa suas ideias suficientemente, faz ajustes ao longo do processo e mantém o foco no objetivo final, que é chegar à inovação escalável, que funcione e que se torne uma vantagem competitiva.

 

3. “Se sua companhia desaparecesse, deixaria um buraco que não poderia ser facilmente coberto por outra empresa no planeta?”

Para o autor, este é um dos traços de uma grande empresa. Mas o que isso significa? Cultura, sistemas e processos são considerados inputs de uma companhia. São algo importante que a compõe, mas que não determina sua verdadeira grandeza.

Um output é o outro lado da moeda, algo maior e que impacta o mundo externo, como por exemplo, uma performance verdadeiramente superior na indústria e que não diminui quando uma figura-chave sai de cena, mas especialmente a capacidade de ter um impacto distinto no ambiente em que atua.

É aí que entra uma espécie de teste de impacto que tem mais a ver com presença do que com porte. Collins afirma que um restaurante pode ter uma relação tão boa com seus clientes e uma presença tão grande na comunidade que, se sumisse, as pessoas sentiriam um buraco enorme.

 

4. “Criatividade empírica é apostar com base em evidências, não na loucura ou no sonho”

Para ter sucesso, não basta criar novos e maravilhosos produtos e serviços. É preciso seguir um princípio de criatividade empírica, que pode ser traduzido como a habilidade de validar instintos criativos empiricamente.

É possível fazer isso por meio de observação direta, experimentos práticos e tomada de decisões com base em provas, não apenas opiniões ou suposições. Uma ideia de negócio que pratique a criatividade empírica, validando conceitos e testando possibilidades, tem chances maiores de dar certo.

 

5. “É melhor construir um relógio que pode dizer as horas mesmo quando você não está lá”

Quando uma empresa não depende exclusivamente de um grande líder para funcionar bem, tem mais chances de sucesso. A essência é construir uma grande cultura para que a organização se torne excelente.

Para qualquer empresa grande e duradoura, o princípio é estimular o progresso mas manter um núcleo: conservar os valores, os princípios básicos e aquilo que deseja ser.

 

6. “Se não está ruim agora, é questão de tempo”

Na vida, altos e baixos são inevitáveis e é importante manter-se atento e praticar a resiliência mesmo quando o céu for de brigadeiro. Assim, quando uma crise surgir, você não será pego de surpresa e nem tomará decisões reativas ou impensadas que coloquem seu negócio em risco.

Se uma empresa estiver em uma fase razoavelmente boa, cabe à equipe responsável a disciplina de dizer: ‘temos que ter valores, temos que ter as pessoas certas, temos que ter nossas finanças em ordem, temos que entender de fato de fato e profundamente o que fazemos melhor que qualquer outro e garantir que isso seja cultivado. Não esperamos até termos um problema para nos tornarmos fortes.’

 

7. “Mantenha-se sempre irracionalmente preocupado se sua empresa não está atingindo seu potencial”

A frase pode parecer ansiosa demais, mas o exagero tem um ponto. Se você e sua equipe acharem que atingiram o ápice do sucesso ou conquistaram seu maior objetivo, podem se tornar apáticos e desatentos e certamente levarão um susto quanto o tapete for puxado, colocando tudo a perder.

Nunca pense em sua empresa como ótima, não importa o nível de sucesso.

Atingiu seu objetivo? Crie outro. Está dando tudo certo? Mantenha-se disciplinado e aproveite a oportunidade para melhorar o que for possível. Trabalhe duro, sonhe grande e tenha os olhos sempre abertos.

 

8. “Todas as organizações podem entregar resultados melhores”

Jim Collins criou um mantra para as grandes instituições: são pessoas disciplinadas que pensam disciplinadamente e tomam ações disciplinadas. A palavra-chave, naturalmente, é disciplina. É ela que passa por boa parte das sentenças em destaque nesse texto e que é capaz de melhorar resultados ou manter (e elevar) performances estelares por meio de decisões bem embasadas, do cultivo e aderência aos valores da companhia, da prática da resiliência e do estímulo ao progresso – faça chuva ou faça sol.

Para finalizar, Collins ensina que a inovação por si só não é o segredo da vantagem competitiva, mas sim a capacidade de mesclar disciplina com inovação, para que a inovação possa ser escalonada — essa é a fonte da vantagem competitiva de grandes empresas. Collins tem muito a ensinar.

 

E você, como investe em inovação na sua empresa. Que tal refletir? O UOLDIVEO pode ajudar a tornar esse processo mais fácil.

 

oldiveoPor-que-as-soluções-de-CASB-devem-ser-a-próxima-prioridade-em-TI

Por que as soluções de CASB devem ser a próxima prioridade em TI?

No mundo onde a transformação digital vem exigindo que empresas coloquem uma parte crescente de seus dados críticos de negócio em cloud computing, não existe mais rede exclusivamente interna ou externa; a nuvem se tornou uma extensão da infraestrutura das empresas. E a segurança precisa seguir o mesmo caminho, seja para os dados, as aplicações ou os usuários.

Sabemos que dentro de uma organização, as tendências de shadow IT, BYOD e outras formas autônomas de consumo de serviços de TI devem considerar as perspectivas de risco de cada tipo de usuário. Quando a atividade do colaborador pode envolver práticas menos seguras, como expor dados sensíveis em redes sociais, o colaborador tende a contar com a sorte.

Por conta disso, a segurança da informação vem ganhando um novo aliado, chamado CASB (Cloud Access Security Brokers), uma ferramenta de software voltada para a segurança da informação do tráfego pela internet dentro do sistema na nuvem.

As soluções de CASB vem garantindo o devido controle e segurança, sem comprometer a agilidade do usuário de dispor das ferramentas que lhe forem mais úteis para geração de resultados ao negócio.

Até o final e 2018, 50% das organizações com mais de 2.500 usuários estarão com uma plataforma de CASB para controlar o uso dos produtos mantidos como SaaS (Software as a Service), afirma o Gartner. Ainda de acordo com a consultoria, em 2020, 85% das maiores empresas usarão um produto de CASB. Desta forma, a camada de segurança não precisa estar por padrão incluída no ambiente de Cloud, mas ele precisa estar pronto para ambientes que usem CASB.

Como o tema “Segurança da Informação” ganhou muita importância nos últimos tempos, notamos que independentemente do modelo de Cloud escolhido, ele tem que possuir mecanismos que protejam a autenticação para acessar o painel de gerenciamento.

É comum encontrarmos hackers descobrindo o usuário responsável pela administração das máquinas em Cloud e pedir resgate para devolver o acesso e não apagar ou danificar as máquinas virtuais que foram criadas. Tem-se assim, perdas financeiras reais. É importante ter um ambiente de contingência e um plano bem detalhado e ensaiada com simulações periódicas para recompor de forma rápida o ambiente em Cloud.

 

Um mercado em crescimento

Os aplicativos de Software-as-a-Service (SaaS), cada vez mais difundidos nas empresas, oferecem novos desafios às equipes de segurança com visibilidade e opções de controle limitadas. O CASB responde a um requerimento crítico dos CSOs, que é aplicar as políticas de monitoramento e gerenciamento de riscos por toda a gama de serviços na nuvem utilizados pela empresa.

Nos próximos anos, espera-se que o CASB seja o principal mecanismo de segurança da informação que trafega pelo sistema na nuvem. Recentemente, já é possível identificar novos produtos disponíveis conforme o grau de maturidade de cloud, seja ela pública ou privada.

Segundo dados do Gartner, em 2020, 80% dos negócios envolvendo CASB farão parte de uma plataforma que integrará firewall, secure web gateway (SWG) e web application firewall (WAF). Ainda de acordo com o levantamento, o CASB é a única garantia de segurança quando o assunto é computação em nuvem. Ao final de 2016, ao menos 25% das empresas irão adotá-lo.

 

Principais funcionalidades do CASB

Dentre os principais mecanismos utilizados pelo CASB podemos mencionar:

 

Controle de políticas de acesso: trata-se de uma ampla gama de regras que visam ser utilizadas no controle de acesso.

 

Controle de autenticação – busca verificar a identidade digital do usuário. Existem diversos modos de autenticação:

  • Token – atualmente, o mecanismo de segurança mais conhecido e utilizado no mercado, o token cria uma senha única do usuário, garantindo a integridade do acesso. Existem diversas formas de token, porém a mais relevante se apresenta no formato de software.
  • Single sign-on – o usuário utilizará o mesmo log in para todos os aplicativos e dispositivos. Com isso, os custos de TI são reduzidos, porque implicam em menos chamados no help desk em função do único usuário. Além disso, permite a redução do tempo de reentrada de senhas com a mesma identidade.
  • Criptografia – fundamental para que as informações críticas dos usuários estejam preservadas.

 

Controle de Workflow do compliance – Consiste em um painel de alertas que mostra as atividades ocorridas fora do previsto, gerando maior controle sobre como os colaboradores estão aptos a seguir o fluxo estabelecido pela organização.

 

Log – Garante que cada atividade suspeita ou com sucesso seja gravada para avaliação posterior.

 

Prevenção contra malware – O CASB também possui uma heurística capaz de identificar e eliminar os diversos aplicativos prejudiciais ao sistema da empresa, usuários mal-intencionados e links maliciosos e faz varreduras em todo o sistema na nuvem, além de manter o setor de TI da empresa ciente de possibilidades reais de ataques cibernéticos.

 

Integração com o DLP (Digital Light Processing): o DLP é uma ferramenta de segurança que, quando integrada ao CASB, aumenta o poder sobre o uso de um determinado aplicativo, ao controlar, por meio de um dispositivo óptico, o uso de um software.

 

Ação em tempo real

O CASB executa esses monitoramentos e correções de forma constante e sem interrupções, a fim de fornecer relatórios atualizados sobre a segurança das informações, aplicativos utilizados no sistema na nuvem e infrações às políticas de segurança da empresa, entre outras informações.

O empreendedor, ao acessar o CASB, poderá acompanhar e monitorar informações já existentes antes da implantação desse sistema de segurança, tendo conhecimento do tráfego das informações, possível disseminação de vírus, compras não autorizadas e identidade do usuário, além de incorporar essas informações ao seu banco de dados.

 

CASB, uma ferramenta adicional

Escolher o fornecedor certo implica em mitigar muitos riscos de segurança na nuvem. Os CASBs não devem ser vistos como um substituto para os firewalls e outros recursos de segurança existentes para proteção, mas sim como uma ferramenta adicional. Hoje, ele está se tornando essencial, ao permitir o nível mais profundo de visibilidade, investigando as ações individuais dos usuários por meio do seu uso e determinando o tipo de ameaça que a organização poderá enfrentar.

Tudo vai depender do nível de maturidade da sua empresa com relação à nuvem.

 

Com os serviços de segurança do UOLDIVEO, sua empresa pode encontrar diversos serviços que buscam a continuidade do negócio e proteção de informações dos clientes.

Os serviços vão desde DDoS Protection, um pilar para sustentar a disponibilidade dos seus serviços, e evitar perdas financeiras importantíssimas, até a proteção específica para a aplicação Web, por meio do Web Application Firewall (WAF), um produto destinado a aplicações web, protegendo-as contra ataques à sua aplicação exposta à internet, deixando seu acesso mais rápido ou auxiliando na defesa contra o furto de informações existentes nas bases de dados usada pela sua aplicação.

Não basta ter uma infraestrutura confiável ou hardwares tecnicamente reconhecidos pelo mercado, é importante considerar o apoio de uma equipe especializada em ciberataques (cyberattack). Entre em contato e consulte-nos.

 

Como inovar com pouco budget?

Como inovar com pouco budget?

Muitos executivos atrelam projetos de inovação a algo grandioso, dependente de grandes investimentos. Em tempos de crise, quando a ordem é cortar custos e investir o mínimo possível, boa parte das empresas opta por deixar a inovação de lado e priorizar outras frentes, que garantam retorno no curto e médio prazo. Neste cenário, temos uma pergunta:

Como obter o máximo com o mínimo investimento em inovação?

Em primeiro lugar, é possível sim investir em inovação aos poucos e até mesmo conseguir tirar do papel o seu projeto, que há tempos juntava poeira na gaveta, mesmo sem investimento nenhum.

 

Existem alguns caminhos:

 

1)    Envolva seus colaboradores

Todos devem estar a par da cultura da empresa em termos de inovação e devem se sentir à vontade para dar contribuições, trazer sugestões e propor melhorias. Uma equipe engajada é sinônimo de inovação, com custo baixo. Invista em sessões de brainstorming e não hesite em pedir a opinião do seu time para solucionar alguma dificuldade.

Lembre-se que a contribuição espontânea e dedicada de todas as pessoas acontece quando os funcionários, do operador ao presidente, sentem-se parte do time, fazem o que gostam e são reconhecidos por seu trabalho.

 

2)    Proporcione um ambiente criativo

Todo ser humano tem um potencial criativo guardado dentro de si, mas muitas vezes é preciso um “empurrãozinho” para despertá-lo. Que tal fazer algo para estimular isso dentro da empresa?

Os especialistas são unânimes em dizer que a criatividade vem da liberdade e não do controle. O processo criativo leva tempo, porque é necessário amadurecimento para a ideia se desenvolver por completo. Por isso, proporcione momentos voltados para o estímulo da criatividade da sua equipe.

Treinamentos e atividades diferenciadas que estejam focados na lógica do negócio sempre são ótimas alternativas para estimular a criatividade dos profissionais.

Outro ponto importante é pensar em estratégias para tornar o ambiente mais leve e tolerante ao erro. Caso contrário, não é possível ter inovação.

 

3)    Inicie o processo de inovação aos poucos

Tenha em mente que a inovação pode nascer de uma ideia simples e sem investimentos. A inovação acontece quando existe uma combinação de conhecimento e criatividade em um ambiente favorável, mas não necessariamente ela ocorrerá de forma repentina.

As grandes ideias podem surgir aos poucos, a partir de uma construção muito mais complexa, da conexão com outras ideias que andaram por aí e que de repente se encontram e formam um sentido maior.

Caminhe aos poucos com seu processo inovador e quando menos você esperar, tudo fará sentido.

 

4)    Desenvolva novos produtos com os recursos que possui

Quando o tema é inovação, a tendência é pensar em maneiras mirabolantes para isso. No entanto, a resposta pode estar em técnicas tradicionais para conjugar as necessidades do consumidor com os produtos e os processos da organização.

O termômetro mais preciso dessas necessidades está entre os profissionais que trabalham nas áreas de marketing e vendas, uma vez que eles estão mais perto dos clientes e mais atentos aos movimentos dos concorrentes.

Outras duas áreas que frequentemente lideram a inovação são design e engenharia de produto, pela análise de valor e introdução de novos materiais e tecnologias. Depois que o novo produto é definido, é preciso estabelecer um processo para sua produção e venda.

 

Resumindo, ser inovador não significa ter um budget significativo para tal. Em inovação, mais vale uma estratégia bem estruturada do que investimentos substanciais que não são aplicados da melhor maneira.

 

Você se identificou com o problema do budget? Quer discutir mais o assunto para a sua empresa? Entre em contato com o UOLDIVEO e saiba como podemos ajudá-lo.